Curso Gestão Comercial

 

Curso Gestão Comercial

 

INSTITUTO PAULISTA DE ENSINO 

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

OSASCO
2013


SUMÁRIO

HISTÓRICO DA FIPEN    5
1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO - PEDAGÓGICA    7
1.1 ASPECTOS GERAIS    7
1.1.1.    CONTEXTO EDUCACIONAL    8
1.1.1.1.    CONTEXTUALIZAÇÃO DA REGIÃO    8
1.1.1.2.    NECESSIDADE DE OFERTA DE CURSOS DIFERENCIADOS    9
1.2 POLÍTICAS EDUCACIONAIS    10
1.3 OBJETIVOS DO CURSO    11
1.3.1 OBJETIVOS DO CURSO    11
1.3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS    12
1.4 PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO    12
1.4.1 COMPETÊNCIAS DESENVOLVIDAS    13
1.4.2 COERÊNCIA DOS POSTOS DE TRABALHOS A SEREM OCUPADOS COM O PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO    15
1.5 ESTRUTURA CURRICULAR    15
1.5.1 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL    16
1.6 ESTRUTURA CURRICULAR    19
1.7 METODOLOGIA    48
1.8 ATIVIDADES COMPLEMENTARES    50
1.9 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO – TCC    56
1.10 APOIO AO DISCENTE    57
1.11 AÇÕES DECORRENTES DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO    59
1.11.1 PROCESSO DE AUTOAVALIAÇÃO    59
1.11.1.1 INTRODUÇÃO    59
1.11.1.2 OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO    59
1.11.1.3 PRINCÍPIOS DA AUTOAVALIAÇÃO    60
1.11.1.4 DIMENSÕES    61
1.11.1.5 METODOLOGIA    61
1.11.1.6 DIFUSÃO E UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS    62
1.11.1.7 REPLANEJAMENTO    62
1.11.1.8 CONSIDERAÇÕES FINAIS    62
1.11.1.9 BIBLIOGRAFIA    62
1.11.2 AÇÕES REALIZADAS    63
1.12 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO – TICS NO PROCESSO APRENDIZAGEM    63
1.13 PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS ENSINO APRENDIZAGEM    64
1.14 NÚMERO DE VAGAS    65
1.15 O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA E A FORMAÇÃO DO ALUNO    66
EDITAL DE CHAMADA DE ALUNOS PARA O PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA    66
2. CORPO DOCENTE    75
2.1 ATUAÇÃO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE    75
2.2 ATUAÇÃO DO COORDENADOR    76
2.3 EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL DE MAGISTÉRIO SUPERIOR E DE GESTÃO ACADEMICA DO (A) COORDENADOR (A)    76
2.4 CORPO DOCENTE DO CURSO    77
2.5 FUNCIONAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO OU EQUIVALENTE    78
3.1 GABINETES DE TRABALHO PARA PROFESSORES DE TEMPO INTEGRAL – TI    78
3.2 ESPAÇO DE TRABALHO PARA COORDENAÇÃO DOS CURSOS E SERVIÇOS ACADEMICOS    78
3.3 SALA DOS PROFESSORES    78
3.4 SALA DE AULA    79
3.5 ACESSO DOS ALUNOS A EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA    79
3.6 BIBLIOGRÁFIA BÁSICA    79
3.7 BIBLIOGRÁFIA COMPLEMENTAR    79
3.8 PERIODICO ESPECIALIZADO    79
3.9 BIBLIOTECA    79
3.9.1 LOCALIZAÇÃO    79
3.9.2 INSTALAÇÕES    79
3.9.3 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO    80
3.10. LABORATÓRIOS DIDÁTICOS ESPECIALIZADOS:QUANTIDADE E QUALIDADE    86
3.11. LABORATÓRIOS DIDÁTICOS  ESPECIALIZADOS SERVIÇOS    86
3.12. CONDIÇÕES DE CONSERVAÇÃO DOS LABORATÓRIOS    86
3.12.1. NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA    86
3.12.2. ATIVIDADES DE ENSINO (PLANEJAMENTO, ABRANGÊNCIA, - ÁREA DE ENSINO, ATENDIDAS, QUALIDADE E OUTROS)    86
3.12.3. IMPLEMENTAÇÃO DAS POÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS NO ÂMBITO DO CURSO    87
3.12.4. FORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO    87
3.12.5. ACERVOS E PERIÓDICOS    87
3.13.INFRAESTRUTURA    87
3.13.1.SALAS DE AULA    87
3.13.2.FINANCEIRO    87
3.13.3.SECRETÁRIA    88
3.13.4.SALA DOS PROFESSORES    88
3.13.5.LANCHONETE    88
3.13.6.MONITORIA    88
3.13.7.COPIADORA    88
3.13.8.ANFITEATRO    88
3.13.9.SALA DE MÍDIA    88
3.13.10.PÁTIOS COBERTO    88
BIBLIOGRAFIA    89

 
FICHA DO PROCESSO

Curso:    Tecnologia em Gestão Comercial
Turno de Funcionamento:    
Noturno
Carga Horária:    1.780 horas
Tempo de Integralização:    Mínimo: 4 semestres
Máximo: 7 semestres
 Nº de vagas por semestre    50
Nº de alunos por turma    50
 Regime de matrícula:    Semestral 
 Processo seletivo:    Semestral

Mantida:    FIPEN – Instituto Paulista de Ensino
Unidade Sede
Rua Euclides da Cunha, 377 – Tel: 3682-2528
Centro – Osasco - SP
Web site: http//www.fipen.edu.br
e-mail: rogero@uol.com.br
Mantenedora:    O Instituto Paulista de Ensino, com limite territorial de atuação circunscrito ao município de Osasco, Estado de São Paulo, à Rua Euclides da Cunha, 377 é um estabelecimento isolado e particular de ensino superior mantido pela "FASE EDUCAÇÃO E CULTURA LTDA", entidade jurídica de direito privado com fins lucrativos, de natureza educacional, cultural e social, de prazo indeterminado, com sede e foro na cidade de Osasco, Estado de São Paulo, e com seu Contrato Social inscrito no Registro Civil do 2º Cartório das Pessoas Jurídicas, sob nº 288 em 02 de dezembro de 1976 e alterações sob o número 124.423, em 26 de fevereiro de 1993. Tel.:3681-3815-  e-mail: rogero@uol.com.br
Processo    DOU 12/01/2011 Portaria no 01 de janeiro de 2011.
Avaliação Anteriores    Autorização – conceito 5


PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

HISTÓRICO DA FIPEN
Histórico da Mantenedora (FASE Educação e Cultura Ltda): 
Em 1976, Joaquim Augusto Fígaro Roque, Sérgio Salvo Molina Gimeno e Wagner R. Valente observaram que tinham algo mais em comum, além de serem colegas na Faculdade de Engenharia Elétrica da Poli – USP: a experiência como Professores de cursinho e o fato de possuírem o prazer de ensinar.
Nessa época, crescia na cidade de Osasco e região, assim como em várias cidades brasileiras, o número de pessoas em busca de um curso preparatório para o vestibular. Contudo, ainda não podiam contar com esse importante serviço. A única alternativa era deslocar-se para São Paulo. Considerando-se estes fatos, o Anglo Vestibulares, com sede em São Paulo, iniciou a sua expansão com a abertura de mais três unidades: São José, Santos e Campinas.
Os professores, imbuídos pelo ideal de colaborar na realização do sonho de um número crescente de pessoas de entrar em uma conceituada faculdade, aceitaram o desafio e instalaram a 4ª unidade do Anglo: Osasco.
A unidade Osasco mantém o padrão de qualidade Anglo. A sua proposta educacional objetiva estabelecer proximidade entre o curso e o aluno, de forma a possibilitá-lo construir o conhecimento, respeitando a sua realidade e necessidades, além de buscar capacitá-lo para uma intervenção ética e soberana na sociedade.
O Anglo Osasco, em sua história, tem proporcionado aos seus alunos a oportunidade de estudar com professores e outros profissionais de excelência. A Instituição sempre ofereceu infra-estrutura de qualidade para a promoção do conhecimento aos que necessitam se preparar para os diversos vestibulares do país. Os resultados são percebidos ao se observar, todos os anos, as listas dos aprovados.
Em 1982, a experiência foi estendida para o colégio, também em Osasco, batizado pelos alunos de unidade Leonardo da Vinci, com a oferta de Ensino Médio, na época, 2°grau. 
Na ocasião, uma das poucas instituições a oferecer um sistema pedagógico avançado com origens no construtivismo, pois o aluno do colégio não se restringe ao uso apenas das apostilas. Ele constrói seu material de estudo a partir das aulas ministradas pelos professores, da pesquisa em livros e do debate em sala de aula. Esse aluno também tem a oportunidade de observar e praticar o que aprendeu em sala de aula, nos laboratórios da escola e nos trabalhos de campo. 
Com este método, pretende-se:
1    formar um aluno crítico, participativo e criativo;
2    construir um trabalho interdisciplinar e
3    articular os diferentes graus de ensino.
A partir de 1988, devido à grande procura e ao enorme sucesso, a Instituição passou a oferecer também o 1° grau, da 1ª a 8ª séries.

Histórico da Mantida (FIPEN- Instituto Paulista de Ensino):
Com a Vocação para o Ensino Construtivista com qualidade, a FASE Educação e Cultura Ltda. identificou em seu histórico as seguintes características institucionais:
a)    preocupação constante com a educação continuada e com a formação total do indivíduo;
b)    capacidade de desenvolver um Sistema Educacional com qualidade para diversos níveis;
c)    condições de colaborar com a empregabilidade e com o desenvolvimento pessoal e social do seu alunado, colaborando com a região;
d)    atuação sustentável e construída em conjunto com a sociedade em que se insere;
e)    a Região Oeste é muito populosa, com um significativo número de cidadãos sem ensino superior, sendo um dos principais pólos de desenvolvimento econômico do País.
Considerando-se tais características, a Instituição criou a FIPEN e agregou, para sua Gestão, o Prof. Dr. José Roberto Rogero, pela sua significativa experiência acadêmica.
A seguir apresenta-se o Projeto Pedagógico do Curso de Tecnologia em Gestão Comercial, subdividida em grupos de indicadores a seguir discriminados:
 
1. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO - PEDAGÓGICA

1.1 ASPECTOS GERAIS 

A FIPEN considera que a necessidade de formar pessoas capazes de viver a modernidade tecnológica e, ainda, de intervirem na sociedade e no processo produtivo, de maneira a possibilitar para si e para os outros, uma vida melhor e mais digna, é urgente. 
Nesse contexto, inserida como agente propulsor de desenvolvimento e formador de recursos humanos para a região, a FIPEN foi credenciada e teve seu Curso de Administração autorizado pelas Portarias 1.411 e 1.412, de 11 de Junho de 2003. 
Em 2005, o Curso foi ofertado pela primeira vez, e seus primeiros egressos se formaram em 2008. 
Após esse período, o Instituto Paulista de Ensino tem realizado muitas mudanças, dentro da sua perspectiva de melhoria contínua. Entre elas, observa-se:
a)    implantação, em 2005, do seu primeiro ciclo avaliativo, com participação da comunidade, desde a construção dos instrumentos até a difusão dos resultados;
b)    transformação do curso para flexibilização da grade, melhoria da interdisciplinaridade, melhor atendimento à diretriz e auxiliar na construção das competências e habilidades propostas pelo curso;
c)    implantação de práticas inovadoras de apoio aos estudantes, como a inclusão de  “Mentoring” e Teatro, com o objetivo de atender à sua missão, que busca valorizar a pessoa humana, compreendida na sua totalidade: um ser em relação com o seu semelhante e o mundo sócio-cultural que o cerca, eclético, criativo, inovador e com capacidade de intervir em diferentes ambientes e situações;
d)    criação de núcleos de pesquisa para elaboração dos trabalhos de conclusão;
e)    criação de práticas de apoio aos estudantes, com o objetivo de auxiliar no aprendizado de Matemática, Estatística, Redação, além de implantar Plantões de Dúvidas;
f)    ações integradoras com a Comunidade, para desenvolvimento da Cidadania;
g)    ampliação da infra-estrutura e acervo da biblioteca.


h)    autorização em 2010 dos cursos de Tecnólogos em Gestão Comercial, Gestão de Recursos Humanos e Gestão Hospitalar, com conceitos 5, 4 e 5 respectivamente.
i)    autorização em 2010 do curso de Pedagogia com conceito 5.
j)    Reconhecimento do curso de Administração em 2011 com conceito 5.

Em 2013, a FIPEN objetiva ampliar seus cursos, ofertando Engenharia de Produção e reconhecer os cursos de Tecnologia.
Há também a previsão de ofertar futuramente Pós-Graduações e de ingressar no Ensino a Distância. Essa expansão deve-se ao fato de a FIPEN considerar que o seu desenvolvimento e aprendizado possibilitam a ampliação da atuação.

1.1.1.    CONTEXTO EDUCACIONAL

A necessidade dos Cursos Tecnológicos, surgem em decorrência de diversos fatores, dentre eles:

1.1.1.1.    CONTEXTUALIZAÇÃO DA REGIÃO
Com uma Logística privilegiada, os 67 Km2 de área relativos a cidade de Osasco, são cortados por rodovias, grandes avenidas e ramais ferroviários e hidroviários que oferecem diversas possibilidades de logística, além de aceso direto à cidade de São Paulo.
Situada no centro da cidade de Osasco, a FIPEN conta, em suas proximidades, com o principal comércio da região, tendo a maioria das linhas de ônibus municipais da cidade de Osasco, circulando, obrigatoriamente, a menos de uma quadra de sua sede, e os ônibus intermunicipais que ligam os demais municípios da região Oeste (Barueri, Jandira, Carapicuíba, Itapevi, Cotia, Taboão e outras) a menos de 500 metros. Destaca-se, ainda, a linha férrea, que também está a uma distância pequena, de, aproximadamente, mil metros.
Conforme dados coletados no site da Prefeitura de Osasco, a cidade tem uma localização privilegiada que atrai ainda mais empresas e empregos para seu território, pois possui acesso fácil para as marginais Pinheiros e Tietê.  A Marginal Tietê, por sua vez, é cortada por três importantes rodovias, Castelo Branco, Raposo Tavares e Anhangüera, e por grande parte da extensão do Rodoanel (sistema viário que visa otimizar o transporte o transporte e distribuição de cargas na região Metropolitana de São Paulo).
A construção do trecho Sul do Rodoanel facilitará o acesso ao complexo Anchieta-Imigrantes, ao porto de Santos, à região do ABC Paulista e à zona Leste da Capital. Atualmente, o trecho Oeste, que corta Osasco, possibilita rápido deslocamento para as cinco rodovias interligadas por esse anel viário.
 A rede ferroviária que serve a cidade é composta por 5 estações e 2 linhas de trem. Este ramal é responsável pelo transporte de 15 milhões de passageiros por ano, entre a região e a Capital. 
Com a revitalização das ferrovias em todo o País, a infra-estrutura de trilhos disponível em Osasco permite criar novas soluções para o transporte de cargas, ampliando as opções de logística para as empresas.
Conforme o Censo de 2010, a população de Osasco tem cerca de 666.740 mil habitantes. Osasco é, também, a 24ª maior cidade brasileira em termos de população, além de se constituir o 5º município mais populoso do Estado. Consiste de  uma economia que se destaca pela forte presença industrial  e pela intensa atividade dos setores de comércio e serviços, sendo que Osasco é hoje a 6ª cidade do Estado de São Paulo em população e está entre os 100 maiores municípios  em relação ao valor adicionado bruto dos serviços e participações percentuais, ocupando a 8º posição em 2009 (IBGE).
Pelo desenvolvimento que apresenta, a cidade é considerada a capital regional da zona oeste, sendo que possui as sedes regionais do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP), da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (FACESP) e do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (SEBRAE), bem como unidades do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). 
Na cidade de Osasco, estão instaladas algumas das empresas que mais movimentam a economia brasileira, como a matriz do Banco Bradesco; o SBT, segunda maior rede de televisão em nível nacional; o parque gráfico do jornal Diário de São Paulo; a Submarino, maior empresa de comércio eletrônico brasileiro e os centros de distribuição de grandes empresas como McDonalds, Ponto Frio e Coca-Cola.
Como pólo comercial, Osasco é a cidade da Grande São Paulo que mais atrai investimentos. No setor varejista e atacadista, destacam-se o hipermercado Wal-Mart, que instalou em Osasco sua primeira loja  em território brasileiro, o Sams Club Atacadista, o Carrefour, o Makro e dois grandes shoppings, Super Shopping Osasco e Shopping União, com muitas lojas e diversos cinemas.
Por outro lado, as micro e pequenas empresas praticamente duplicaram sua participação na geração de empregos formais, passando de 20% para 40% nos últimos 20 anos. Comerciantes em sua maioria, esses empreendedores representam mais de 9 mil estabelecimentos. Muitos deles, comerciantes da colônia Armênia de Osasco, estão localizados na rua Antônio Agu, tradicional via de comércio popular de alcance regional por onde passam, diariamente, mais de 100 mil pessoas. Movimento superado, em toda a Região Metropolitana de São Paulo, apenas pela Rua 25 de Março, na Capital. Outro pólo regional de consumo é a Avenida dos Autonomistas, que em seus 10 quilômetros de extensão, comporta hipermercados, universidades, lojas de automóveis e um shopping center.  Juntos, comércio e serviços movimentam a economia de Osasco criando, a cada mês, 250 novos empreendimentos.

1.1.1.2.    NECESSIDADE DE OFERTA DE CURSOS DIFERENCIADOS
Diante de todo este cenário, os moradores de Osasco, muitas vezes não podem ocupar posições e assumir funções devido à formação. Alguns têm dificuldade de cursar um ensino diferenciado e com qualidade. Por meio desta proposta e considerando-se que a mantenedora é conhecida há mais de vinte anos, por boa parte da população, como o principal colégio e cursinho da região, além de possuir localização geográfica privilegiada e de fácil acesso observou-se a necessidade da oferta de cursos diferenciados e que considerasse as características da região.  
Com mais de 300.000 alunos matriculados no Ensino Fundamental e Médio, há uma demanda crescente de profissionais na Região, que muitas vezes têm dificuldades para se deslocar para São Paulo. A Região tem outros cursos Tecnológicos, porém os ofertados pela FIPEN são diferenciados na medida em que consideram a formação global do aluno. Diante dessa premissa, a FIPEN oferece um modelo de ensino fundamentado por teoria e prática em sala de aula; trabalhos em equipe; e o conjunto das disciplinas objetiva uma sólida formação do futuro gestor.

1.2 POLÍTICAS EDUCACIONAIS 

A FIPEN tem origem em uma proposta educacional construída a partir da sua vocação de ofertar cursos com qualidade de ensino, que o objetivam atender à sua missão. A missão da FIPEN busca valorizar a pessoa humana, compreendida na sua totalidade: um ser em relação com o seu semelhante e o mundo sóciocultural que o cerca, eclético, criativo, inovador e com capacidade de intervir em diferentes ambientes e situações. 
Este perfil de unir o ensino, com o objetivo de contribuir com o desenvolvimento regional e com a melhoria da qualidade de vida, formando indivíduos críticos e capazes de contribuir para a sociedade é um aspecto importante da mantenedora, que atua desde 1976 em educação na região. Desta forma a FIPEN busca unir ensino, pesquisa e extensão com a oferta de cursos que valorizem o indivíduo.
A política de Ensino e Extensão da FIPEN está elaborada, detalhada e disponibilizada para toda a comunidade em seu PPI – Projeto Pedagógico Institucional. 
Conforme o PDI da FIPEN:
“A FIPEN considera o aluno em sua totalidade, portanto o currículo não pode ser analisado de outra forma. Os docentes, semestralmente, revisam os conteúdos programáticos das disciplinas, discutem as estratégias de ensino e a forma do desenvolvimento das atividades do semestre. Isto possibilita um trabalho integrado e participativo, além de uma melhoria continuada. A autoavaliação colabora com informações e análises para essa reflexão na qual participa o conjunto dos professores.
Conforme Morin (2000; p.47): “Conhecer o humano é, antes de mais nada, situá-lo no universo e não separá-lo dele”. É neste contexto que se desenvolve o Sistema Educacional da FIPEN, pois considera relevante a interação do ser humano com a sociedade. 
Para Demo (2002, p.20), “modernidade significa o desafio que o futuro acena para as novas gerações, em particular seus traços científicos e tecnológicos.”. A modernidade, portanto, não se constitui em analisar o presente ou aceitar padrões sociais que definem o que é moderno, mas em fazer e construir o futuro. Isso só é possível quando os agentes envolvidos pesquisam e intervém de forma construtiva e ética. Para preparar o indivíduo para essa postura e para obtenção das competências necessárias que o capacitam para a ação é necessário que ele desenvolva atividades questionadoras e problematize na sua prática cotidiana. A FIPEN possui essa concepção em sua abordagem pedagógica, portanto tem uma orientação voltada à participação, ao dialogo, à reflexão e à integração entre Discentes, Docentes, Gestores e Comunidade Externa, visando construir seu Projeto Pedagógico.
Ainda, em uma perspectiva dialógica e centrada em valores humanos, se desenvolvem os projetos dos Cursos, com estratégias de ensino-aprendizagem e avaliações que tendem a auxiliar ao discente na construção do conhecimento.
Conforme o Capítulo IV, art 43, da Lei de Diretrizes e Bases Nacional, Lei 9294/96, foi construída a concepção pedagógica da FIPEN e tem sido desenvolvida a sua prática pedagógica, que consiste em:
“I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo;
 II - formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua;
III - incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive;
IV - promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação;
V -  suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estrutura sistematizadora do conhecimento de cada geração;
VI - estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade.
VII -  promover a extensão, aberta à participação da população, visando a difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição.

1.3 OBJETIVOS DO CURSO 

O curso tem os objetivos gerais e específicos, discriminados a seguir:

1.3.1 OBJETIVOS DO CURSO 

O Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos possui objetivos gerais que integram duas fontes:
a)    Projeto Pedagógico Institucional
A FIPEN objetiva formar egressos que priorizem a valorização do ser humano como integrante de uma sociedade constituída e organizada, com conhecimentos consolidados, princípios éticos, morais e profissionais e que sejam agentes disseminadores desses conhecimentos perante a comunidade. 
b)    Catálogo Nacional de Cursos de Tecnologia (Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica) 
O Curso é focado nas transações comerciais, pois o Tecnólogo em Gestão Comercial presta-se à organização atendendo as diversas formas de intervenção (varejo, atacado, representação e outros) de qualquer setor. Como conhecedor das condições de viabilidade econômico-financeiro-tributária, dos instrumentos de relacionamento com o cliente, dos princípios da qualidade, atua no planejamento, operação, implementação e atualização de sistemas de informações comerciais que proporcionem maior rentabilidade e flexibilidade ao processo de comercialização. Atua no fluxo de informações com os clientes, proporcionando maior visibilidade institucional da empresa, definindo estratégias de venda de serviços e produtos, gerenciando a relação custo e preço final. 

1.3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 

O Curso possui os seguintes objetivos específicos: 
 
?    Capacitar ao futuro Gestor a atuar nas Organizações, tornando-as mais produtivas e competitivas no mercado; 
?    Desenvolver nos futuros Gestores uma postura critica, criativa, inovadora, flexível, intuitiva e responsável, capacitando-os em fazer transações comerciais, organizando e implementando-o as diversas formas de intervenção;
?    Desenvolver o espírito de empreendedor, formando profissionais com conhecimentos, competências e habilidades a desenvolver projetos, atuar no planejamento e operação;
?    Desenvolver/incentivar o interesse do alunado pela Educação continuada;
?    Incentivar o alunado e ofertar instrumentos/ ferramentas tecnológicas para o desenvolvimento do empreendedorismo;
?    Auxiliar na melhoria da qualidade de vida e no desenvolvimento regional.

1.4 PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO 

A FIPEN objetiva formar egressos que priorizem a valorização do ser humano como integrante de uma sociedade constituída e organizada, com conhecimentos consolidados, princípios éticos, morais e profissionais e que sejam agentes disseminadores desses conhecimentos perante a comunidade. Espera-se que, ao final dos cursos, eles tenham condições, não apenas de se inserirem no mercado de trabalho, mas de intervirem, de forma colaborativa e cidadã, na sociedade, e que valorizem o aprendizado contínuo, a responsabilidade social e o desenvolvimento sustentável.
O profissional formado pelo Curso Superior de Tecnologia da FIPEN – Faculdade Instituto Paulista de Ensino terá reunido competências, ou mais precisamente Conhecimentos, Habilidades e Atitudes para gerir profissionalmente as organizações de modo a torná-las mais produtivas, competitivas e com maior qualidade em seus produtos ou serviços, assegurando assim a sua posição no mercado em constante mudança. Tendo, ao longo do curso, desenvolvido uma postura crítica, criativa, inovadora, flexível, intuitiva e responsável, o Tecnólogo em Gestão Comercial estará capacitado para focar as transações comerciais, organizando e implementado as diversas formas de intervenção (varejo, atacado, representação, e outros) de qualquer setor. Conhecendo as condições de viabilidade econômico-financeiro-tributária,  os instrumentos de relacionamento com o cliente, as técnicas de negociação, os princípios do direto comercial, do consumidor e da qualidade, é um profissional competente para elaborar projetos, atuar no planejamento, operação, implementação e atualização de sistemas de informações comerciais que proporcionem maior rentabilidade e flexibilidade ao processo de comercialização. Por haver incorporado tais competências que o tornam hábil para atuar no fluxo de informações com os clientes, e com o mercado, é capaz de promover maior visibilidade institucional da organização em que atua, definindo estratégias de venda de produtos e serviços, bem como no gerenciamento da relação custo e preço final.
Portanto, o Tecnólogo em Gestão Comercial egresso da FIPEN tem sua formação estruturada em um plano pedagógico que lhe assegura estratégias de atuação para operar com ética, eficiência, eficácia e efetividade nos diversos processos da gestão comercial.
A FIPEN implantará, após um ano da primeira turma formada, um projeto de acompanhamento de egressos, que se realizará por meio do estudo da inserção dos profissionais no mercado de trabalho e no oferecimento de cursos e palestras de atualização para seus egressos.

1.4.1 COMPETÊNCIAS DESENVOLVIDAS 

Ao final de cada certificação o aluno possuirá competências e habilidades para:
?    Assistente de Marketing e Vendas 
?    discernir as condutas éticas e não éticas nas práticas de gestão;
?    conhecer os princípios e as ferramentas básicas de informática para auxílio no exercício cotidiano das funções;
?    compreender a importância do domínio da Língua Inglesa como fator de comunicação no mundo globalizado e de ascensão na carreira profissional e possuir um vocabulário que o auxilie no desenvolvimento profissional; 
?    ser capaz de empregar com desembaraço a Língua Portuguesa nas diversas situações de comunicação;
?    desenvolver o raciocínio lógico, aplicar e operar com formulações matemáticas dentro de sua área de atuação;
?    conhecer os atuais modelos de administração bem como os pressupostos que os sustentam, para aplicação nas empresas ou para melhor compreensão das organizações;
?    compreender a importância das pessoas como fator estratégico para a busca da qualidade, produtividade e competitividade das organizações;
?    identificar ferramentas e metodologias para elaborar projetos;
?    elaborar e implementar estratégias de marketing para fixação de preços dos produtos e serviços; 
?    compreender as técnicas para a gestão estratégica de vendas, a fim de que conquiste maior lucratividade, com ética, em suas ações comerciais e das empresas que colabora;
?    gerenciar a cadeia de suprimento e logística das organizações;
?    identificar os conceitos, as funções e as aplicações da contabilidade bem como as técnicas de apuração de custos, a fim de que possa melhorar a qualidade de sua decisão no âmbito comercial;

?    Analista de Planejamento de Marketing
?    conhecer os principais conceitos e o funcionamento da comunicação empresarial e reconhecer que essa dimensão, integrada à estrutura organizacional, é um dos fatores responsáveis pela construção da imagem organizacional no mercado;
?    reconhecer a oportunidade e agir como empreendedor;
?    desenvolver no futuro gestor a capacidade de elaborar projetos empresariais, dado que as organizações estão cada vez mais atuando sob projetos, a fim de manter sintonia com o mundo de alta competição, de mudanças rápidas e de adaptações constantes;
?    conhecer os fundamentos do marketing de varejo para que o futuro gestor possa implementar estratégias nessa área;
?    conhecer os pressupostos do comportamento do consumidor para que o futuro gestor possa implementar estratégias nessa área;
?    capacitar o futuro gestor a utilizar conceitos e princípios básicos do direito empresarial e do consumidor em sua área de atuação profissional;
?    desenvolver no futuro gestor a habilidade para fazer o planejamento e a gestão estratégica de Marketing;

?    Tecnólogo em Gestão Comercial
?    conhecer os fundamentos básicos da economia e mercado, para ajudar o futuro gestor a fazer análise de cenários; 
?    desenvolver no futuro gestor a capacidade para implementar estratégias nessa área;
?    desenvolver no futuro gestor os conhecimentos necessários para que ele possa fazer pesquisa de mercado, tomar decisão e agir
?    desenvolver a capacidade de diagnóstico da situação e utilizar o estilo de liderança adequado; 
?    compreender a necessidade e atuar conforme os princípios da responsabilidade ambiental, social e econômica;
?    desenvolver no futuro gestor a capacidade de negociar;
?    conhecer o estado atual e as tendências futuras das tecnologias de informação para adequá-las ao seu exercício profissional
?    desenvolver no futuro gestor a capacidade de elaborar projetos empresariais, dado que as organizações estão cada vez mais atuando sob projetos, a fim de manter sintonia com o mundo de alta competição, de mudanças rápidas e de adaptações constantes.

1.4.2 COERÊNCIA DOS POSTOS DE TRABALHOS A SEREM OCUPADOS COM O PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO


O Curso de Tecnologia em Gestão Comercial habilita para as seguintes certificações:
?    2º semestre - Assistente de Marketing e Vendas 
?    3º semestre - Analista de Planejamento de Marketing
?    4º semestre - Tecnólogo em Gestão Comercial
    
O aluno ao final do Curso estará apto a ocupar postos de trabalho nas funções de Analista, Assistente ou Gestor, podendo atuar nas diversas áreas comerciais, como vendas, e-commerce, e-business, atendimento ao cliente ou negócios nos diversos setores.    


1.5 ESTRUTURA CURRICULAR

O Currículo dos Cursos da FIPEN são construídos com a participação do Corpo Docente e esta ação tem o propósito de:
a.    Sempre estarem em conformidade à legislação vigente;
b.    Atenderem a missão, o PDI e o PPI da FIPEN;
c.    Respeitarem a Cultura Organizacional Interna, mas, também, atenderem às
 demandas sociais regionais e nacionais;
d.    Garantir qualidade de ensino, com uma proposta diferenciada;
e.    Desenvolver currículos interdisciplinares, contribuindo para integração dos 
docentes, dos conteúdos e das atividades.
Após a elaboração dos Projetos pedagógicos de Curso, eles são aprovados pelo Colegiado, sendo que o Curso de Tecnologia em Gestão Comercial apresenta a seguinte matriz curricular:   

 
1.5.1 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL
 

O curso foi construído em 7 eixos temáticos que são:
1.    Formação Básica – 320 horas
2.    Projeto e Pesquisa – 120 horas
3.    Gestão de Pessoas e Relacionamento Interpessoal – 200 horas obrigatórias e 40 horas optativas
4.    Teorias Aplicadas ao Marketing – 240 horas
5.    Estratégia Empresarial – 240 horas
6.    Economia e Administração- 320 horas obrigatórias e 40 horas optativas
7.    Custos, Precificação e Vendas- 200 horas
Os eixos foram elaborados pelo Colegiado de Curso e o objetivo é garantir a interdisciplinaridade e o perfil desejado do egresso, conforme descritos.
.
As disciplinas do Curso foram elaboradas de forma articulada e sistêmica, a fim de atender aos objetivos do curso, ao perfil do egresso, tendo uma distribuição satisfatória das cargas horárias em atividades teóricas e práticas, subsidiadas pelas atividades complementares. (FIPEN)
A Coordenação do Curso, em conjunto com os Professores, dividiu as disciplinas nos 7 grupos, com os seguintes objetivos:
?    Ampliar a interdisciplinaridade nos grupos e entre eles;
?    Facilitar a gestão do Curso, possibilitando atividades, dinâmicas, estratégias de ensino e desenvolvimento de conteúdos de forma integrada;
?    Auxiliar aos Discentes uma visualização integrada dos conteúdos;
?    Incentivar aos Docentes e Discentes a se integrarem.
Observa-se, porém, que, em todos os momentos, estes grupos são analisados de forma global ao Curso e aos seus objetivos gerais. 
Há competências e habilidades que são consideradas em mais de um grupo, pois são interdisciplinares, ou seja, são desenvolvidos de forma transversal aos conteúdos.
A metodologia de ensino adotada para o desenvolvimento pedagógico implica na participação efetiva do corpo docente nas reuniões semestrais de planejamento, quando trocam experiências, repensam os cursos e especificam as ações em seus planos de disciplina.
As atividades de ensino são desenvolvidas a partir de aulas expositivas e/ou participativas, consistem em dinâmicas de grupo, pesquisa em sala de aula e extra-sala, discussão em grupo, trabalhos individuais e em grupo, leituras orientadas, estudos dirigidos e seminários. 
Destaca-se, ainda, que há 200 horas de Atividades complementares, que são fundamentais para a formação holística, possibilitando ao aluno acrescentar ao seu currículo aspectos diferenciados. 
Apresenta-se o currículo do curso de Tecnologia em Gestão Comercial:

 

 

1.6 ESTRUTURA CURRICULAR

As disciplinas que compõe o currículo do Curso de Tecnologia em Gestão Comercial são:

LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL    
1? Semestre
Carga Horária Semanal: 2 h/a                                       Carga Horária Semestral: 40 h/a
Objetivos: 
Ser capaz de empregar com desembaraço a Língua Portuguesa nas diversas situações de comunicação.
Ementa:
Com o objetivo de estimular a competência comunicativa dos alunos, a disciplina aborda: leitura e produção de textos em Língua Portuguesa, análise e interpretação de textos, noção de texto, textos figurativos e temáticos, resumo, coesão textual, coerência textual e morfologia. Temática incluída no conteúdo sobre textos argumentativos: aspectos étnico-racial, história e cultura indígena e afro-brasileira e aspectos socioambientais.
Básica
BAGNO, Marcos. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. 1 ed. São Paulo: Loyola, 1999. 
MEDEIROS, João Bosco. Correspondência técnicas de comunicação criativa. 15ª ed. São Paulo, Atlas 2002.
DISCINI, Norma. A comunicação nos textos. São Paulo: Contexto, 2005. 
Complementar
BECHARA, Evanildo. Gramática escolar da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004. Inclui encarte com respostas aos exercícios propostos. 
GARCIA, Othon M. Comunicação em Prosa Moderna: aprenda a escrever, aprendendo a pensar. 24.ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004. 
GOLD, Miriam. Redação empresarial: escrevendo com sucesso na era da globalização. 3.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
GUIMARÂES, Elisa. A articulação do texto. São Paulo: Ática, 2006. 
KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. A Coesão Textual. São Paulo: Contexto, 2007. 






INGLÊS PARA NEGÓCIOS    
1? Semestre
Carga Horária Semanal:2h/a                            Carga Horária Semestral: 40 
Objetivos: 
Compreender a importância do domínio da Língua Inglesa como fator de comunicação no mundo globalizado e de ascensão na carreira profissional e possuir um vocabulário que o auxilie no desenvolvimento profissional.
Ementa:.
Com o objetivo de sensibilizar os alunos para a importância do domínio de uma segunda língua no mundo globalizado, serão apresentadas as estruturas básicas da Língua Inglesa.
Básica
COTTON, David; FALVEY, David; KENT, Simon. Market Leader: course book – elementary business english. Essex: Pearson / Longman, 2004.
MURPHY, Raymond. Essential grammar in use: a self-study reference and practice book for elementary students of English; with answers. 2ª ed. New York: Cambridge University Press, 1998. Inclui CD-ROM.
LAPKOSKI, Graziela de A. O. Do texto ao sentido: teoria e prática de leitura em língua inglesa. Curitiba: IBPEX, 2011. 
Complementar
BARNARD, Roger & ZEMACH, Dorothy. Writing for the Real World – an introduction to General Writing – vol 1. OUP; Oxford University Press. 2004.
ASHER, Allen & SASLOW, Joan. Top Notch TV - DVD 1. Pearson Education, Inc. 2006.
MARTINEZ, Ron. Como dizer tudo em inglês – livro de atividades c/ cd–1ª ed. Editora Campus, 2004.
GEFFNER, Andrea B.. Como escrever melhor cartas comerciais em inglês. São Paulo: Martins Fontes, 2004. 
WOODS, John. Cem modelos de cartas de negócios em inglês: contendo dicas, em português, para elaboração de documentos. São Paulo: Edicta, 2005. 



INFORMÁTICA APLICADA    1o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                      Carga Horária Semestral: 80 h/a.

Objetivos:
Conhecer os princípios e as ferramentas básicas de informática.

Ementa:
Histórico e evolução da Informática. Sistemas Operacionais: MS-DOS, Windows e Linux. Aplicativos para Escritório: Processador de texto, Planilha Eletrônica e Gerador de Slides. Internet. Mídias e redes sociais.
Básica
ALBERTIN, Alberto Luiz. Administração de Informática. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.
Capron, H. L. E Johnson, J. A. Introdução à Informática. 8ª ed. São Paulo: Pearson, 2004.
GARCIA, Marcus. Informática Aplicada a Negócios. 1ª ed. Rio de Janeiro: Brasport, 2005.
Complementar
CARMO. João Clodomiro do. O que é informática. 2.ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.
Comer Douglas E. Redes de computadores e Internet. 4ª ed. Bookman Companhia Editora, 2007.
Veronezzi, Jose Carlos. Mídia de A a Z. São Paulo: Flight Editora, 2008.
Tanenbaum, Andrew S. Sistemas operacionais modernos. 3ª ed. São Paulo: Prentice Hall, 2010.
CAIÇARA JR, Cícero & PARIS, W.S. Informática, internet e aplicativos. Curitiba: Ibpex, 2007.


FILOSOFIA E ÉTICA    1o Semestre
Carga Horária Semanal: 4h/a                Carga Horária Semestral: 80  h/a
Objetivos: 
Discernir as condutas éticas e não éticas nas práticas de gestão.

Ementa:.Desenvolver temas e assuntos de Filosofia e Ética, que possam ampliar as habilidades de reflexão do futuro gestor, a saber: As noções gerais de história da Filosofia. A relação Sujeito-objeto. Lógica. Falácias. Dedução, Indução e Hipóteses. Filosofia da linguagem. Teoria do Conhecimento. Ética, Filosofia Política e Filosofia do Direito, Filosofia da Administração. Filosofia, Visão e Missão das empresas. Temas tratados em forma de discussões e análise de situações que envolvam as culturas nacionais e as culturas organizacionais das empresas brasileiras. Aspectos étnico-racial, história e cultura indígena e afro-brasileira contextualizados no ambiente corporativo.
Básica
MATTAR NETO, João Augusto. Filosofia e ética na administração. 1ª ed. São Paulo: Saraiva, 2003. 
CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. 12 ed. São Paulo: Ática, 2002.
GALLO, S. (Coord). Ética e cidadania: caminhos da filosofia (elementos para o ensino de filosofia). São Paulo: Papirus, 2003.
Complementar
BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. 12.ed. v.1. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004. Obra em 2 volumes. Carmem C. Varriale, Caetano Lo Mônaco, João Ferreira, Luís Guerreiro Pinto Cacais e Renzo Dini (Tradução). 
GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia: romance da história da filosofia. São Paulo: Cia. das Letras, 2004. João Azenha Júnior (Tradução).
ASHLEY, Patricia. Ética e responsabilidade social nos negócios. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2006.
BRASIL. Ministério da educação. Orientações e ações para a Educação das Relações Étnico-raciais. Brasília: SECAD, 2006. 
MORANJE, J. Direitos Humanos e Liberdades Públicas. São Paulo: Editora Manole, 2003.


MATEMÁTICA    1o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                      Carga Horária Semestral:80  h/a.
Objetivos: 
Desenvolvendo o raciocínio lógico, aplicar e operar com formulações matemáticas dentro de sua área de atuação.
Ementa:
Esta é uma disciplina que habilita o estudante a aplicar dos conceitos e técnicas de aritmética e álgebra em diversas situações práticas relacionadas à área da administração e gerenciamento. O conteúdo consiste em: expressões aritméticas, razão, proporção, potenciação, radiciação, produtos notáveis, fatoração, expressões algébricas, conjunto, funções, domínio, imagem e contradomínio, matrizes, determinantes e sistemas lineares.
Básica
MORETTIN, Pedro A.; HAZZAN, Samuel; BUSSAB, Wilton de O. Cálculo: funções de uma e várias variáveis. São Paulo: Saraiva, 2005. 
SILVA, Sebastião Medeiros. Matemática para Cursos de Economia, Administração e Ciências Contábeis. 5.ed. v.1,  São Paulo: Atlas, 2007.
HOFFMANN, Laurence D.; BRADLEY, Gerald L. Cálculo: um curso moderno e suas aplicações. 7.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2000. Ronaldo Sérgio de Biasi (Tradução). 
Complementar
GOLDSTEIN, L. J., LAY, D. C. e SCHNEIDER, D. I. Matemática Aplicada. 8.ed. Porto Alegre: Bookman, 2000.
TAN, S. T. Matemática aplicada à Administração e Economia. 5.ed. São Paulo: Thomson, 2001.
IEZZI, G. et al. Fundamentos da matemática elementar. Vol. 1, 2 e 3. São Paulo: Atual, 2001.
MUROLO, Afrânio; BONETTO, Giácomo. Matemática aplicada à  Administração, Economia e Contabilidade. 1.ed. São Paulo: Cengage  Learning, 2011.
THOMAS, George B.; Cálculo. 11 ed. São Paulo: Pearson/Addison  Wesley, 2008. 


TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO    1o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                       Carga Horária Semestral:80 h/a.
Objetivos: 
Conhecer os atuais modelos de administração bem como os pressupostos que os sustentam, para aplicação nas empresas ou para melhor compreensão das organizações.
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes:
Evolução do pensamento administrativo. Fundamentos da Administração. Direção: conceito e natureza; autoridade e responsabilidade; delegação de autoridade; motivação, comunicação e liderança; qualidade de direção, processo de tomada de decisão. Administração Participativa. Controle: conceitos básicos. Padrão de desempenho, medida, interpretação de resultados, ações corretiva. Cronograma e orçamento: conceitos, pert/COM, orçamento. Administração por Objetivos, razões para uso. Coordenação: conceito, mecanismos e comunicação. Ambiente: Teoria dos Sistemas; Abordagem Contingencial; Visão Holística; Análise PFOA. Plano de Negócio. Tendências atuais da Administração: Qualidade total: Administração Japonesa, Gestão da qualidade total; Benchmarking; Aperfeiçoamento dos processos: Reengenharia, downzising. A Nova Administração: Administração Empreendedora; Organizações que aprendem; Globalização: definição, panorama geral, vantagens e riscos.
Básica
CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração: edição compacta. 2ª ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000. 
CERTO, C.S. Administração Moderna. 9 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.
MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria geral da administração: da escola científica à competitividade na economia globalizada. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2000. 
Complementar
CHIAVENATO, Idalberto. Teoria Geral da Administração: abordagens prescritivas e normativas da Administração. 6.ed. v.1. Rio de Janeiro: Campus, 2001.
OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de.  Teoria Geral da Administração. Ed. Atlas, 2008.
TAYLOR, Frederick Winslow. Princípios de administração científica. 8ª ed. São Paulo: Atlas, 1995.  Arlindo Vieira Ramos (Tradução).
SILVA, Reinaldo O. da. Teorias da Administração. São Paulo: Pioneira, 2004. 
MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria Geral da Administração: uma introdução. 22.ed. São Paulo: Pioneira, 2002. (Biblioteca de Administração e Negócios). 


METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO    2o Semestre
Carga Horária Semanal:2 h/a                      Carga Horária Semestral:40 h/a.
Objetivo Geral:
Capacitar o aluno para elaborar projetos.

Objetivos Específicos:
Compreender por que os projetos existem e são elaborados;
Conhecer os principais processos da administração de um projeto;
Compreender o processo de desenvolvimento de um projeto;
Conhecer a metodologia PMBOK e as principais etapas de projeto propostas por ele.
Elaborar um projeto.
Ementa:
O que é projeto. Por que fazer projetos. Principais processos da administração de um projeto. Roteiro para administração de projetos. Plano e proposta de projeto. PMBOK. Etapas de Projetos.
Básica
RODRIGUES, André Figueiredo. Como elaborar e apresentar monografias. São Paulo: Humanitas, 2008.
MENEZES, Luís César de Moura. Gestão de projetos. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.
VALERIANO, Dalton. Moderno Gerenciamento de Projetos. São Paulo: Prentice Hall Brasil, 2005.
Complementar
BERKUN, Scott. A Arte do Gerenciamento de Projetos. Porto Alegre: Artmed, 2008.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 
NEWTON, Richard. O Gestor de Projetos. São Paulo: Pearson Education, 2011.
VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 10ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.
MAXIMIANO, Antônio César Amaru. Administração de Projetos: como transformar idéias em resultados. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.


GESTÃO DE PESSOAS    2o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                      Carga Horária Semestral: 80 h/a.
Objetivos: 
Compreender a importância das pessoas como fator estratégico para a busca da qualidade, produtividade e competitividade das organizações.
Ementa:
Evolução da administração de RH no Brasil; Os reflexos da cultura e dos valores da organização na gestão das pessoas; Articulação entre cultura, valores, planejamento estratégico e a gestão de pessoas; Cidadania: o remédio para as doenças culturais brasileiras; A legislação social e trabalhista brasileira; A liderança e sua responsabilidade de linha na gestão de pessoas; Motivação; Administração de Conflitos; A missão da área formal de Gestão de Pessoas (AGP) e suas funções de staff; A Gestão de Pessoas por Competências. aula sobre diversidade onde  são abordados alguns aspectos da integração dessas minorias nas organizações.
Básica
CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: e o novo papel dos recursos humanos nas organizações. 2.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.
PASCHOAL, Luiz. Gestão de Pessoas - nas micros, pequenas e médias empresas - para empresários e dirigentes. 1ª ed. Qualitymark, 2006.
BITENCOURT, Cláudia (org). Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Bookman, 2004. 
Complementar
HUNTER, James C. O Monge e o Executivo: uma história sobre a essência da Liderança. 17.ed. Rio de Janeiro: Sextante, 2004. Maria da Conceição Fornos de Magalhães (Tradução). 
RESENDE, Ênio J. Cidadania: o remédio para as doenças culturais brasileiras. 3.ed. São Paulo: Summus, 1992.
SANTIAGO JR., José Renato Satiro. Capital Intelectual: O Grande Desafio das Organizações.  1ª ed. NOVATEC, 2007.
DUTRA, Joel Souza. Administração de carreiras: uma proposta para repensar a gestão de pessoas. São Paulo: Atlas, 2007. 
GRAMIGNA, Maria Rita. Modelo de competências e gestão dos talentos. São Paulo: Pearson. Makron Book, 2002. 


GESTÃO ESTRATÉGICA DE VENDAS    2o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                      Carga Horária Semestral:80  h/a.
Objetivos: 
Capacitar o aluno para a compreensão das técnicas para a gestão estratégica de vendas, a fim de que conquiste maior lucratividade, com ética, em suas ações comerciais e das empresas que colabora.
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes:
Pesquisa de mercado; Identificação dos concorrentes; Conceito setorial da concorrência; Análise dos concorrentes; Estratégicas, objetivos, forças e fraquezas e padrões de reação dos concorrentes; Sistema de inteligência competitiva e suas principais etapas; Elaboração de estratégias competitivas; As modernas técnicas de vendas; Estratégias e táticas de vendas;  Dinâmica de vendas. Princípios da negociação; Conquistando relações de parceria; Modelos de negociação; Estratégias e táticas de negociação; Gestão estratégica de vendas; Ética e moralidade nas vendas; A importância dos canais de distribuição no processo de vendas; Escolha dos canais; Princípios da logística; Administração de canais de vendas e gerenciamento estratégico de unidades de negócios.
Básica
NEVES, Marcos Fava; CASTRO, Luciano Thomé e. Administração de Vendas: planejamento, estratégia e gestão.  1 ed. São Paulo: Atlas, 2005. 
HARVEY, CHRISTINE. Aprenda todas as estratégias de venda. 1 ed. Planeta do Brasil, 2005.
ROMEO, Renato. Vendas B2B: como negociar e vender em mercados complexos e competitivos. São Paulo:Prentice Hall,2008. 
Complementar
BOWERSOX, Donald J.Logística Empresarial.  Atlas, 2001
CASTRO, Guilherme Caldas; PINHEIRO, Roberto Meireles; SILVA, Helder Haddad; NUNES, José Mauro Gonçalves. Comportamento do Consumidor e Pesquisa de Mercado. 3º ed. FGV, 2006.
ROSENBLOOM, Bert. Canais de Marketing: Uma visão Gerencial. 1 ed. São Paulo: Atlas, 2002.
NEVES, Marcos Fava; CASTRO, Luciano Thomé e CÔNSOLI, Matheus Alberto. Vendas: técnicas para encantar seus clientes. Porto Alegre: Bookman, 2007. 
NAGLE, Thomas T. ; HOGAN, J.E. . Estratégias e táticas de preços: um guia para crescer com lucratividade. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2003..


ESTRATÉGIAS DE MARKETING PARA PRECIFICAÇÃO    2o Semestre
Carga Horária Semanal:2 h/a                              Carga Horária Semestral:40  h/a.
Objetivos:
 Desenvolver no futuro gestor a capacidade para elaborar e implementar estratégias de marketing para fixação de preços dos produtos e serviços.
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes:
Conceito de Marketing; Segmentação e formas de abordagem no mercado; Potencial e demanda de mercado; Estratégias de posicionamento do mercado; Os mercados e seu comportamento no tocante à percepção de valor; Competitividade; Decisões de marketing: produto, preço, praça e promoção; Formação do preço de venda; Custos fixos, variáveis, diretos e indiretos e o impacto na formação dos preços; O impacto dos impostos na formação de preços; Análise do ponto de equilíbrio. Gerência estratégica de marketing; Detecção de oportunidades no mercado; Desenvolvimento de novos produtos/serviços; Ciclo da vida do produto/serviço e o preço adotado; Planejamento e sistema de lançamento de produto/serviço; Estratégias de fixação de preços; Estratégias de adequação de preços; Estratégias de marketing para precificação; Promoção e propaganda.
Básica
CARNEIRO, Jorge M.T.SAITO, Cláudio Sunai & DE AZEVEDO, Hélio Moreira. Formação e Administração de  Preços - Série Marketing  S 3 ed. São Paulo: FGV, 2004. 
HOOLEY, Graham J. Estratégia de Marketing e Posicionamento Competitivo. 3ª ed. Prentice Hall, 2001.
NAGLE, Thomas T. ; HOGAN, J.E. . Estratégias e táticas de preços: um guia para crescer com lucratividade. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2003. 
Complementar
ASSEF, Roberto. Guia prático de formação de preços: Aspectos mercadológicos, tributários e financeiros. 1 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2005.
CASTRO, Guilherme Caldas; PINHEIRO, Roberto Meireles; SILVA, Helder Haddad; NUNES, José Mauro Gonçalves. Comportamento do Consumidor e Pesquisa de Mercado. 3º ed. FGV, 2006.
LAS CASAS, Alexandre L. Administração de Marketing: conceitos, planejamento e aplicações à realidade brasileira. 1a. ed. São Paulo: Atlas, 2006. 
NAGLE, Thomas T. HOLDEN, Reed K.; Estratégias e táticas de preços: um guia para decisões lucrativas. São Paulo: Prentice Hall, 2003. 
ROMEO, Renato. Vendas B2B: como negociar e vender em mercados complexos e competitivos. São Paulo:Prentice Hall,2008.




 


CONTABILIDADE E CUSTOS    2o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                      Carga Horária Semestral:80  h/a.
Objetivos:
Conhecer os conceitos, as funções e as aplicações da contabilidade bem como as técnicas de apuração de custos, a fim de que o futuro gestor, conhecendo esse ferramental, possa melhorar a qualidade de sua decisão no âmbito comercial.
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes:
Noções Preliminares de Contabilidade; Grupos interessados nas informações e finalidades para as quais se usa a informação contábil; Funções da Contabilidade; Estática Patrimonial; Conceito de Liquidez; Fontes de Patrimônio; Líquido e equação fundamental do patrimônio;  Estrutura do Balanço; Procedimentos Contábeis;  Método das Partidas Dobradas; Variações do Patrimônio Líquido; Introdução à Demonstração do Resultado do Exercício;  Registro das operações normais do exercício; Regime de competência e regime de caixa; Características Qualitativas das Demonstrações Contábeis;  Operações com Mercadorias; Controle de estoques; Importância da exatidão do inventário; Fatos que alteram os valores de compras e vendas no estoque; Estrutura das Demonstrações Contábeis; Critérios de classificação dos elementos patrimoniais;  Demonstração do Resultado do Exercício; Como levantar o Balanço Patrimonial; Outras Demonstrações Contábeis e Notas explicativas; Pesquisa de preços da concorrência; Como calcular os custos dos produtos/serviços; Custeio direto e por absorção; Contabilização dos gastos com materiais, mão de obra e demais custos; Tratamento dos impostos na aquisição de materiais; Instrumentos de controle e ferramenta para tomada de decisões; Custeio variável; Margem de contribuição; Ponto de equilíbrio; Grau de alavancagem; Comparação do custo com o preço do mercado concorrente.
Básica
COSTA, Rogério G.; OLIVEIRA, Luís Martins de: PEREZ JÚNIOR, José Hernandez. Gestão estratégica de custos (Livro-texto). 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.
SANTOS, Fernando de Almeida & VEIGA, Windsor Espenser. Contabilidade também aplicável as Micro, Pequenas e Médias Empresas. São Paulo: Atlas, 2012.
IUDÍCIBUS, Sérgio de. Contabilidade Comercial. 7ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.
Complementar
COSTA, Rogério G.; OLIVEIRA, Luís Martins de: PEREZ JÚNIOR, José 
Hernandes. Gestão estratégica de custos (Livro de exercícios). 2 ed. 
São Paulo: Atlas, 2001.
Equipe de Professores da USP. Contabilidade Introdutória. São Paulo: 
Atlas, 2010.
RICARDO J. Ferreira, Contabilidade Básica Editora: Ferreira. 4ª ed. Ano: 2008.
BRUNI, Adriano Leal; FAMA, Rubens. Gestão de Custos e Formação de 
Preços: Com Aplicações na Calculadora HP 12C e Excel. 4 ed. Atlas, 
2007.
MEGLIORINI, E. Custos. São Paulo: Makron Books, 2001. 
 



LOGÍSTICA E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS    2o Semestre
Carga Horária Semanal:4h/a                              Carga Horária Semestral:80  h/a.
Objetivos: 
Desenvolver no futuro gestor a capacidade para gerir a cadeia de suprimento e logística de sua organização.
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes:
Introdução: definições, fluxo físico e fluxo de informações, níveis de planejamento, decisões típicas; Simulação de cadeia de suprimentos; Planejamento agregado em cadeias de suprimentos; Nível de serviço, previsão de demanda em cadeias de suprimentos; Estratégias e gestão de estoques em cadeia de suprimento; Modos de transporte; Movimentação e armazenagem de materiais; Sistemas logísticos; Portos, Aeroportos, Centros de Distribuição e Cross Dock; Embalagens e Equipamentos; Tecnologias e parcerias na cadeia de suprimentos; Governança e coordenação; Avaliação de desempenho; Equilíbrio econômico e financeiro; Compras; Global Sourcing e Global Logística; Logística reversa, logística de reparos e logística emergencial.
Básica
CHING, Hong Yuh. Gestão de estoques na cadeia de logística integrada: supply chain. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2001.
NOVAES, Antonio Galvão. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição, Estratégia, Operação e Avaliação. 3 ed.Campus, 2007.
LEITE, Paulo Roberto. Logística Reversa: meio ambiente e competitividade: a cadeia de suprimentos como caminho para a competitividade. São Paulo: Prentice Hall. 2003. 
Complementar
BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Logística Empresarial. 1 ed. ARTMED BOOKMAN, 2006. 
CHRISTOPHER, Martin. Logística e Gestão da Cadeia de Suprimento. 1 ed. Thomson Pioneira, 2007.
POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística. 1 ed. São Paulo: Atlas, 2001.
CHOPRA. Sunil & MEINDL, Peter. Gestão da cadeia de suprimentos: estratégia, planejamento e operações. 4 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2001. 
BOWERSOX, D.J. Gestão logística de cadeias de suprimentos. Porto Alegre: Bookman 2006. 


PROJETO TECNOLÓGICO I    3o Semestre
Carga Horária Semanal:2 h/a                       Carga Horária Semestral:40  h/a.
Objetivos:
Desenvolver no futuro gestor a capacidade de elaborar projetos empresariais, dado que as organizações estão cada vez mais atuando sob projetos, a fim de manter sintonia com o mundo de alta competição, de mudanças rápidas e de adaptações constantes.
Ementa:
A disciplina consiste em, de forma interdisciplinar, desenvolver, sob orientação do professor, um projeto de um produto, serviço ou processo no campo tecnológico de estudo. O projeto inicia-se em Projeto Tecnológico I e finaliza-se em Projeto Tecnológico II.
Básica:
RODRIGUES, André Figueiredo. Como elaborar e apresentar monografias. São Paulo: Humanitas, 2008.
MENEZES, Luís César de Moura. Gestão de projetos. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.
VALERIANO, Dalton. Moderno Gerenciamento de Projetos. São Paulo: Prentice Hall Brasil, 2005.
Complementar
BERKUN, Scott. A Arte do Gerenciamento de Projetos. Porto Alegre: Artmes, 2008.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 
NEWTON, Richard. O Gestor de Projetos. São Paulo: Pearson Education, 2011.
VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 10ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.
MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Administração de projetos: como transformar idéias em resultados. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 









COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL    3o Semestre
Carga Horária Semanal:2h/a                             Carga Horária Semestral: 40 h/a.
Objetivos:
Conhecer os principais conceitos e o funcionamento da comunicação empresarial e reconhecer que essa dimensão, integrada à estrutura organizacional, é um dos fatores responsáveis pela construção da imagem organizacional no mercado.
Ementa: 
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes:
Conceitos, características e tipos de organizações; Comunicação organizacional: surgimento, evolução e tendências; O sistema de comunicação nas organizações; Os meios de comunicação nas organizações; Comunicação interna; Comunicação Integrada, Comunicação de Marketing como Diferencial estratégico; A responsabilidade sócio-ambiental como fator de projeção da imagem da organização; Administração estratégica da comunicação e a definição de políticas.
Básica
NASSAR, Paulo (org.) Comunicação Interna: a força das empresas. São Paulo: ABERJE Editorial, 2011.
NASSAR, Paulo. Tudo é comunicação. 2ª. Ed. São Paulo: Lazuli Editora, 2006.
TAVARES, Maurício. Comunicação Empresarial e Planos de Comunicação: Integrando Teoria e Prática. 1ª ed. São Paulo: Atlas, 2007.
Complementar
NASSAR, Paulo; FIGUEIREDO, Rubens. O que é comunicação empresarial. São Paulo: Brasiliense, 2011. 
KELLER, Kátia. Comunicação Empresarial Sobrevivência Empresarial. 1ª ed. Ollho d’Água, 2006.
TACHIZAWA, Takeshy. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.
BUENO, WILSON DA COSTA. Comunicação empresarial: políticas e 
estratégias. 1ª. Ed. Saraiva, 2009.
GOLD, Miriam. Redação empresarial: escrevendo com sucesso na era da globalização. 3.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007. 


MARKETING DE VAREJO    3o Semestre
Carga Horária Semanal:2 h/a                      Carga Horária Semestral:40  h/a.
Objetivos:
Conhecer os fundamentos do marketing de varejo para que o futuro gestor possa implementar estratégias nessa área. 
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes: Varejo: conceito, tipos e tendências; Sistemas de informações de marketing e pesquisa de mercado: componentes, características e uso; Consumidor de varejo: características e comportamento de compra; Estratégias de marketing no varejo; Estrutura, planejamento e decisão sobre os produtos; Estratégias e objetivos da precificação e políticas de preços; Planejamento, estratégias e objetivos do marketing de varejo; Localização e canais de distribuição.
Básica
BERNARDINO, Eliane de Castro; PACANOWSKI, Mauro; KHOURI, Nicolau. Marketing de Varejo. 3 ed. São Paulo: FGV, 2008.
LAS CASAS, Alexandre L. Marketing de Varejo. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2000.
DAUD, Miguel; RABELLO, Walter; DAUD, Miguel. Marketing de varejo: como incrementar resultados com a prestação de serviços. Porto Alegre: Bookman, 2007. 
Complementar
LAS CASAS, Alexandre L. Administração de Marketing: conceitos, planejamento e aplicações à realidade brasileira. 1a. ed. São Paulo: Atlas, 2006.
PARENTE, Juracy. Varejo no Brasil: gestão e estratégia. 1ª ed. São Paulo: Atlas, 2000. 
ANGELO Cláudio Felisoni de; SILVEIRA, José Augusto G. da. Varejo Competitivo. Vol. 12. 1ª ed. São Paulo: Saint. Paul, 2007.
NEVES, Marcos Fava; CASTRO, Luciano Thomé e CÔNSOLI, Matheus Alberto. Vendas: técnicas para encantar seus clientes. Porto Alegre: Bookman, 2007. 
DOIN, Eliane; SILLAS, Edson Paes. Marketing no varejo. Curitiba: IBPEX, 2007. 




 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR    3o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                              Carga Horária Semestral:80  h/a
Objetivos:
Conhecer os pressupostos do comportamento do consumidor para que o futuro gestor possa implementar estratégias nessa área. 

Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes: Fatores que influenciam o comportamento do consumidor: fatores culturais, sociais, pessoais e psicológicos; Arquétipos de Marketing; Papeis de compra; Comportamento de compra; Estágios no processo de compra; Comportamento pós-compra; O marketing de relacionamento como prática para influenciar o comportamento do consumidor.
Básica
CASTRO, Guilherme Caldas; PINHEIRO, Roberto Meireles; SILVA, Helder Haddad; NUNES, José Mauro Gonçalves. Comportamento do Consumidor e Pesquisa de Mercado. 3ª ed. FGV, 2006.
ROBERTO, M. P.; GUILHERME, C. de C.; HELDER, H. S.; JOSÉ, M. G. N. Comportamento do consumidor e pesquisa de mercado. 2? ed. FGV, 2004.
PAIXÃO, Marcia Valéria. A influência do consumidor nas decisões de marketing. Curitiba: IBPEX, 2011. 
Complementar
CESCA, Cleuza Gertrudes Gimenes; CESCA, Wilson. Estratégias empresariais diante do novo consumidor: relações públicas e aspectos jurídicos. São Paulo: Summus, 2000. 
CLEUZA, G. G. C; WILSON, C. Estratégias empresariais diante do novo consumidor.1 ed.  Summus, 2000.
LAS CASAS, Alexandre L. Administração de Marketing: conceitos, planejamento e aplicações à realidade brasileira. 1a. ed. São Paulo: Atlas, 2006.
NEVES, Marcos Fava; CASTRO, Luciano Thomé e; CÔNSOLI, Matheus Alberto. Vendas: técnicas para encantar seus clientes. Porto Alegre: Bookman, 2007. 
SAMARA, Beatriz Santos; MORSCH, Marco Aurelio. Comportamento do consumidor: conceitos e casos. São Paulo: Prentice Hall Brasil, 2005. 



DIREITO EMPRESARIAL E DO CONSUMIDOR    3o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                              Carga Horária Semestral:80  h/a
Objetivos:
Capacitar o futuro gestor a utilizar conceitos e princípios básicos do direito empresarial e do consumidor em sua área de atuação profissional.  Debater o princípio constitucional de respeito à dignidade humana.
Ementa:
Objeto do Direito Empresarial; Tipos de Pessoas Físicas: limitada, sociedades anônimas, sociedade civil, etc.; Teoria dos atos de comércio e teoria da empresa; Atividades econômicas e civis; Autonomia do Direito Empresarial; Pressupostos constitucionais do regime jurídico-empresarial; Direito Econômico e concorrência desleal; Proibidos de exercer a empresa.; Obrigações e Contratos; Títulos de Crédito; O Código de Defesa do Consumidor; Direitos do consumidor: Noções Introdutórias e Conceitos Básicos; Responsabilidade por vício do produto  e do serviço; Decadência e prescrição; Desconsideração da personalidade jurídica; Proteção contratual; Sistema nacional de defesa ao consumidor; Defesa do consumidor em Juízo. O respeito à dignidade do consumidor à luz da Constituição Federal vigente e a indenização por danos material e moral. Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena, associando ao ambiente corporativo. Princípio constitucional de respeito à dignidade humana, que veda qualquer forma de discriminação, entre elas, étnico-racial, cultural, e outras, das quais são passíveis de crimes inafiançáveis e indenizações por dano material e moral.
Básica
COELHO, Fábio Ulhoa Coelho. Manual de Direito Comercial – Direito de Empresa. São Paulo. Ed. Saraiva: 2012.
ALMEIDA, João Batista de. Manual de Direito do Consumidor. São Paulo. Ed. Saraiva: 2011.
BITTAR, Carlos Alberto. Direito do Consumidor – Código de Defesa do Consumidor. São Paulo. Ed. Forense: 2011. 
Complementar
MARTINS, Fran. Curso de Direito Comercial. São Paulo. Ed. Forense: 2012. 
REQUIÃO, Rubens. Curso de Direito Comercial. São Paulo. Ed. Saraiva: 2012.
VIEIRA Sanseverino, Paulo de Tarso. Responsabilidade Civil no Código do Consumidor e a defesa do Fornecedor. São Paulo. Ed. Saraiva: 2010.
GARCIA, Leonardo de Medeiros. Direito do Consumidor – Código
Comentado e Jurisprudência. São Paulo: Impetus, 2011.
Código de Defesa do Consumidor – Lei 8.078/1990. Atualizada – Ed. Saraiva: 2012, acompanhado da Constituição Federal atualizada – Ed. Saraiva, 2012.


PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E MARKETING GLOBAL    3o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                             Carga Horária Semestral: 80  h/a
Objetivos:
Desenvolver no futuro gestor a habilidade para fazer o planejamento e a gestão estratégica de Marketing. 
Ementa: 
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes: O ambiente de negócios em mudanças aceleradas; A competição no ambiente globalizado; Porque definir a  visão estratégica; As dimensões do Marketing; A mudança de paradigmas; A evolução da administração estratégica e sua natureza; O processo de planejamento e gestão estratégica; Análise do cenário; Diretrizes organizacionais; Formulação de estratégias: Plano estratégico de Marketing; Análise de estratégias de marketing para diversos segmentos de negócios. 
Básica
KOTLER, Philip, KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing a Bíblia do marketing. 12ª edição. Prentice Hall Brasil, 2006.
OLIVEIRA, Djalma de Pinho. Planejamento Estratégico. 24 ed. Atlas, 2007.
AAKER, David A.  Administração estratégica de mercado. Porto Alegre: Bookman, 2007.
Complementar
ALMEIDA, Martinho Isnard R. de. Manual de Planejamento Estratégico. 2a. ed com disquete. São Paulo: Atlas, 2003.
CHIAVENATO, Idalberto; SAPIRO, Arão. Planejamento Estratégico. Fundamentos e Aplicações. 1 ed. Campus, 2004.
LAS CASAS, Alexandre L. Administração de Marketing: conceitos, planejamento e aplicações à realidade brasileira. 1a. ed.  São Paulo: Atlas, 2006. 
KEEGAN , Warren J. Marketing global. São Paulo:Prentice Hall, 2005. 
MALHOTRA, Naresh K. Introdução à pesquisa de marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2005. 



EMPREENDEDORISMO E PLANO DE NEGÓCIO    3o Semestre
Carga Horária Semanal:4 h/a                             Carga Horária Semestral: 80 h/a
Objetivos:
Reconhecer a oportunidade e agir como empreendedor.  
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes:
O perfil e a forma de atuação do empreendedor; Auto-conhecimento; Oportunidade e visão; O Processo empreendedor; Identificação de oportunidades; Elaboração do Plano de Negócios: procedimentos para criação de uma empresa - análise de viabilidade técnico-econômico-financeiro; Fontes de recursos; Alavancagem de Recursos.
Básica
MAXIMIANO, Antônio César Amaru. Administração de Projetos: como transformar idéias em resultados. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.
THIOLLENT, Michel. Pesquisa Ação nas Organizações. 1ª ed. São Paulo: Atlas, 1997.  
ARAUJO FILHO, Geraldo Ferreira de. Empreendedorismo criativo: a nova dimensão da empregabilidade. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2007. 
Complementar
COHEN, Dennis J.; GRAHAM, Robert. Gestão de Projetos: MBA Executivo: como transformar projetos em negócios de sucesso. 1ª ed. CAMPUS, 2002. Afonso Celso da Cunha Serra (Tradução)
MENEZES, Luís César de Moura. Gestão de projetos. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2003.
DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): prática e princípios. São Paulo: Pioneira Thomson, 2002. (Biblioteca Pioneira de Administração e Negócios).
SOUZA, César. Você é do tamanho dos seus sonhos: um passo-a-passo para fazer acontecer e ter sucesso no trabalho e na vida pessoal. Rio de Janeiro: Agir, 2009. 
VILAS BOAS, Eduardo; DORNELAS, José. Ganhe dinheiro na internet: empreenda no mundo virtual mesmo sem entender de tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2010. 


PROJETO TECNOLÓGICO II    4o Semestre
Carga Horária Semanal:2 h/a                             Carga Horária Semestral:40  h/a
Objetivos:
Desenvolver no futuro gestor a capacidade de elaborar projetos empresariais, dado que as organizações estão cada vez mais atuando sob projetos, a fim de manter sintonia com o mundo de alta competição, de mudanças rápidas e de adaptações constantes.  
Ementa:
A disciplina consiste em, de forma interdisciplinar, desenvolver, sob orientação do professor, um projeto de um produto, serviço ou processo no campo tecnológico de estudo. O projeto inicia-se em Projeto Tecnológico I e finaliza-se em Projeto Tecnológico II.
Básica:
RODRIGUES, André Figueiredo. Como elaborar e apresentar monografias. São Paulo: Humanitas, 2008.
MENEZES, Luís César de Moura. Gestão de projetos. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.
VALERIANO, Dalton. Moderno Gerenciamento de Projetos. São Paulo: Prentice Hall Brasil, 2005.
Complementar
BERKUN, Scott. A Arte do Gerenciamento de Projetos. Porto Alegre: Artmed, 2008.
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008. 
NEWTON, Richard. O Gestor de Projetos. São Paulo: Pearson Education, 2011.
VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 10ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.
MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Administração de projetos: como transformar idéias em resultados. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

DESENVOLVIMENTO DE HABILIDADE DE LIDERANÇA    4o Semestre
Carga Horária Semanal:2h/a                              Carga Horária Semestral:40h/a
Objetivos:
Desenvolver a capacidade de diagnóstico da situação e utilizar o estilo de liderança adequado.  
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes:
Chefia e liderança; Perfil do líder; Traços da personalidade do líder; As três dimensões de eficácia da liderança: traços – comportamento – situação; Os diversos modelos de liderança e os estilos correspondentes; Adaptando o estilo de liderança à situação; O papel do líder na administração de conflitos e o trabalho em equipe; A diferença entre grupo e equipe; A decisão e avaliação do desempenho em equipe. Diversidade de aspectos da integração das minorias nas organizações. Forma de implantação e desenvolvimento de políticas éticas e inclusivas. Equipes multiculturais e multirraciais.   
Básica
BERGAMINI, Cecília W. Motivação nas Organizações.  São Paulo: Atlas, 2008.
KOTTER, John. Liderando Mudança. Rio de Janeiro: Campus: Publifolha, 1999.
VIZIOLI, Miguel e CALEGARI, Maria da Luz. Liderança a Força do Temperamento. São Paulo: Prentice-Hall, 2009.
Complementar
ALMEIDA, João, BLOCH, Vicky e VISCONTE, Luiz . Coaching Executivo. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2011.
DRUCKER, Peter F. Inovação e Espírito Empreendedor. São Paulo: Pioneira, 1987.
GUIMARÃES, Gilberto. Liderança Positiva. Editora Évora, 2012.
LUPPA, Luis Paulo. A essência da liderança de resultados. 2. ed. São Paulo: Landscape, 2006. 
SELMAN, Jim. Liderança. São Paulo: Prentice-Hall, 2009.













TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO    4o Semestre
Carga Horária Semanal:2h/a                               Carga Horária Semestral:40 h/a
Objetivos:
Desenvolver no futuro gestor a capacidade de negociar.  
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes: 
A gestão moderna. Interação da visão de negociação com a visão de mercado; Conceitos de negociação; Qualidades e perfil do negociador; Posturas exercidas no processo de negociação; Preparação para a negociação; O processo de negociação e seus passos; A Abordagem argumentativa; O acordo; O reforço.
Básica
MARTINELLI, D. Negociação Empresarial: enfoque, sistema e visão estratégica. 1 ed. São Paulo: Manole, 2002.
OLIVER, David. Como Negociar de Maneira Eficaz. 1ª ed. Clio Editoria, 2007.
NEVES, Marcos Fava; CASTRO, Luciano Thomé e. Administração de Vendas: planejamento, estratégia e gestão.  1 ed. São Paulo: Atlas, 2005. 
Complementar
CERTO, C.S. Administração Moderna. 9 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.
HARVEY, CHRISTINE. Aprenda todas as estratégias de venda. 1 ed. Planeta do Brasil, 2005.
LEWICKI, D.M.S. & MINTON, J. W. Fundamentos da negociação. Porto Alegre: Bookman, 2002.
ORTEGA, Marcelo. Sucesso de vendas: 7 fundamentos para o sucesso. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007. 
STUTZ, Elinor. Vendedoras boazinhas enriquecem. São Paulo: Gente, 2007. 














MARKETING DE SERVIÇO    4o Semestre
Carga Horária Semanal:2h/a                              Carga Horária Semestral:40  h/a.
Objetivos: Desenvolver no futuro gestor a capacidade para implementar estratégias nessa área.
Ementa:
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes: Marketing de serviços: conceitos, definições e estratégias: Aplicações de marketing de serviços: Composto de marketing para serviços.
Básica
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing de Serviços. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2007.
LOVELOCK, Christopher; WIRTZ, JOCHEN. Marketing de Serviços. 5 ed. Prentice Hall Brasil, 2006.
LOVELOCK, CHRISTOPHER / WIRTZ, JOCHEN / HEMZO, MIGUEL ANGELO. Marketing de serviços: pessoas, tecnologias e estratégias. São Paulo: Pearson Prentice Hall Brasil, 2006.
Complementar
ANGELO Cláudio Felison de; SILVEIRA, José Augusto G. da. Varejo Competitivo. Vol. 12. 1ª ed. São Paulo: Saint. Paul, 2007.
BATESON, John E.G., e HOFFMANM, K. Douglas. Marketing de Serviços. 4a. ed. Porto Alegre: Bookmann, 2001.
LAS CASAS, Alexandre Luzzi. Marketing: conceitos, exercícios e casos. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2001.
ARANTES, Elaine Cristina. Marketing de serviços. Curitiba: Ibpex Dialógica, 2011. 
MALHOTRA, Naresh K. Introdução à pesquisa de marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2005. 


PESQUISA DE MERCADO    4o Semestre
Carga Horária Semanal:4h/a                              Carga Horária Semestral:80  h/a.
Objetivos:
Desenvolver no futuro gestor os conhecimentos necessários para que ele possa fazer pesquisa de mercado, tomar decisão e agir.  
Ementa: 
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes: Informações de Marketing; Sistema de amostragem e coletada de dados; O uso de técnicas estatísticas na análise dos resultados; Tipos de pesquisa; Planejamento, coleta de dados, análise, interpretação de dados, diagnóstico e relatório final; Ética em pesquisa de mercado; Sistema de informação de Marketing como ferramenta para a tomada de decisão e ação.
Básica
MALHOTRA, Naresh K., Pesquisa de Marketing: Uma Orientação Aplicada, 4ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.
MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de marketing. Edição compacta. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2007.
SAMARA, Beatriz Santos; MORSCH, Marco Aurelio. Comportamento do consumidor: conceitos e casos. São Paulo: Prentice Hall Brasil, 2005.
Complementar
CASTRO, Guilherme Caldas; PINHEIRO, Roberto Meireles; SILVA, Helder Haddad; NUNES, José Mauro Gonçalves. Comportamento do Consumidor e Pesquisa de Mercado. 3º ed. FGV, 2006.
KOTLER, Philip, KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing a Bíblia do marketing. 12ª edição. Prentice Hall Brasil, 2006.
RUTTER, Marina; ABREU, Augusto de. Pesquisa de Mercado. 1ª ed. Ática, 2007.
MALHOTRA, Naresh K. Introdução à pesquisa de marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2005. 
SAMARA, Beatriz Santos; Barros, Jose Carlos de. Pesquisa de mercado: conceitos e metodologia. São Paulo, Pearson, Prentice Hall, 2007. 










RESPONSABILIDADE AMBIENTAL    4o Semestre
Carga Horária Semanal: 2h/a                              Carga Horária Semestral:40  h/a
Objetivos: 
Compreender a necessidade e atuar conforme os princípios e práticas da responsabilidade ambiental e Sustentabilidade.. 
Ementa: 
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes: Histórico. Relação homem/meio ambiente. Principais problemas ambientais atuais. Estratégia Empresarial e Meio Ambiente. Desenvolvimento sustentável dos negócios. Contabilidade e Valoração Ambiental. Interface empresa/comunidade. Gestão Tecnológica para produtos e processos. Aspectos legais ambientais. Auditoria Ambiental. Marketing Verde. Gestão de Pessoas e Meio Ambiente. Educação Ambiental. Sistemas de Gestão Ambiental.
Básica
DIAS, Genebaldo Freire. Pegada ecológica e sustentabilidade humana.  1 ed. São Paulo: Gaia, 2006. 
TACHIZAWA, Takeshy. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.
STADLER, Adriano; ARANTES, Elaine Cristina; HALICKI, Zélia. Empreendedorismo e responsabilidade social. Curitiba: IBPEX, 2011. 
Complementar
ASHLEY, Patricia Almeida (coord..) et al. Ética e responsabilidade social nos negócios. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 2006. 
CAVALCANTI, Clóvis (Org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. 4ª ed. São Paulo; Recife, PE: Cortez; Fundação Joaquim Nabuco, 2003.
MAIA, Paulo Leandro. Introdução à Ética e Responsabilidade Social. 1ª ed.  LEUD, 2007.
JONKER, Jan; WITTE, Marco (editores). Modelos de gestão para responsabilidade social corporativa. Curitiba: IBPEX, 2011.
RUSCHEINSKY, Aloisia e colaboradores. Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002.









RESPONSABILIDADE SOCIAL    4o Semestre
Carga Horária Semanal:2h/a                                     Carga Horária Semestral:40h/a
Objetivos:
Compreender e saber desenvolver e implantar políticas e práticas de responsabilidade social para gestão corporativa..  
Ementa: 
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes: História de formação da Responsabilidade Social das Empresas (RSE); principais aspectos do capitalismo contemporâneo; debate sobre RSE como valor ou interesse; fundamentos da RSE; limites e possibilidades da RSE; estudo de casos; análise do Balanço Social das empresas; RSE como marketing ou assistencialismo; a RSE e os trabalhadores; a  RSE e as desigualdades sociais.
Básica
ASHLEY, Patrícia Almeida (Coord.) et al. Ética e responsabilidade social nos negócios. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2006. 
TACHIZAWA, Takeshy. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2006.
STADLER, Adriano; ARANTES, Elaine Cristina; HALICKI, Zélia. Empreendedorismo e responsabilidade social. Curitiba: Ibpex, 2011. 
Complementar
COSTA, Eduardo Homem da. Fundamentos de Responsabilidade Social Empresarial. 1ª ed. Eduardo Homem, 2007.
KARKOTLI, Gilson; ARAGÃO, SUELI DUARTE.  Responsabilidade Social Uma Contribuição à Gestão Transformadora das Org. 2ª ed. Vozes, 2007.
MAIA, Paulo Leandro. Introdução à Ética e Responsabilidade Social. 1ª ed.  LEUD, 2007.
JONKER, Jan; WITTE, Marco (editores). Modelos de gestão para responsabilidade social corporativa. Curitiba: Ibpex, 2011.
SILVA, Reinaldo O. da. Teorias de administração. São Paulo: Pearson Prentice Hall,2008.


ECONOMIA E MERCADO    4o Semestre
Carga Horária Semanal:4h/a                             Carga Horária Semestral: 80h/a
Objetivos: 
Conhecer os fundamentos básicos da economia e mercado, para ajudar o futuro gestor a fazer análise de cenários.
Ementa: 
Para que o aluno incorpore a competência estabelecida para esta disciplina, serão abordados os conteúdos seguintes: A economia como sistema social aplicada; Sistema econômico; Como funciona o mercado nacional e global; Teoria da produção e dos custos; Noções de macroeconomia; Balança de pagamento; Taxas de câmbio; A economia do Brasil hoje.
Básica
GREMAUD, Amaury Patrick; VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; TONETO JÚNIOR, Rudinei. Economia Brasileira Contemporânea. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2005. 
ROSSETTI, José Paschoal. Introdução à Economia. 19ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.
SAMARA, Beatriz Santos; MORSCH, Marco Aurelio. Comportamento do consumidor: conceitos e casos. São Paulo: Prentice Hall Brasil, 2005. 
Complementar
EICHENGREEN, B. A Globalização do Capital: uma história do Sistema Monetário Internacional. 1 ed. São Paulo: Editora 34, 2002.
PINHO, Diva Benevides; VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de. Manual de Introdução à Economia. 1ª ed. Saraiva, 2006.
SILVA, César Roberto Leite da; Luiz, Cinclayr.Economia e Mercados. 18.ed. São Paulo: Saraiva,2001.
CASTRO, Guilherme Caldas; PINHEIRO, Roberto Meireles; SILVA, Helder Haddad; NUNES, José Mauro Gonçalves. Comportamento do Consumidor e Pesquisa de Mercado. 3º ed. FGV, 2006.
NAGLE, Thomas T. ; HOGAN, J.E. . Estratégias e táticas de preços: um guia para crescer com lucratividade. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2003. 

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (optativa)    4o Semestre
Carga Horária Semanal:2h/a                                    Carga Horária Semestral:40  h/a
Objetivo Geral:
Conhecer o estado atual e as tendências futuras das tecnologias de informação para adequá-las ao exercício profissional. 
Ementa:
O contexto tecnológico; As transformações sociais diante da tecnologia; Tecnologias da informação e da comunicação no organizacional; Tecnologia, trabalho e formação profissional; Mídias sociais; Comércio eletrônico.
Básica
ACADEMIA PEARSON. CARVALHO, Fábio Câmara Araújo de (org.). Gestão do Conhecimento. São Paulo: 2012. Pearson Prentice Hall, 2012.
VIDAL, Antônio Geraldo da Rocha... [et al.]. Sociedade da informação: os desafios da era da colaboração e da gestão do conhecimento. São Paulo: Saraiva, 2008.
TURBAN; MCLEAN; WETHERBE. Tecnologia da Informação para Gestão. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.
Complementar
AKABANE, Getúlio K. Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação.  São Paulo: Atlas, 2012.
CARDOSO, André Lima; SOUZA, Ricardo Araújo de. Estratégia digital: vantagens competitivas na internet. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2003.
DEITEL, Harvey; Deitel, Paul; Steinbuhler, Kate. E-Business e E-Commerce para Administradores. São Paulo: Makron Books,2004.
KENSKI, Vani Moreira. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. 6. ed. Campinas, SP: Papirus, 2010.
SCHLÜNZEN Jr., Klaus. Aprendizagem, cultura e tecnologia: desenvolvendo potencialidades corporativas. 1 ed. São Paulo: Editora UNESP, 2003.




LIBRAS (optativa)    4o Semestre
Carga Horária Semanal:2h/a                                    Carga Horária Semestral:40  h/a
Objetivos: 
Conceber que a diversidade entre as pessoas precisam de profissionais que tratem das questões referentes a Língua de Sinais Brasileira – LIBRAS; Capacitar a habilidade de reflexão sobre a questão das múltiplas linguagens, assim como a Gramática da Língua de Sinais; Fornecer habilidades para desenvolver as questões pertinentes ao ensino da Língua de Sinais.
Ementa:
A organização e o fortalecimento de subsídios teóricos e práticos aos formadores e multiplicadores da Língua de Sinais (nesse caso os intérpretes e profissionais que atuam em salas especiais e/ou inclusiva) estruturá-los de uma forma que possam se sentir mais seguros de seus trabalhos e abordagens pedagógicas sobre a surdez, de estudos na graduação.
Básica
BRASIL.DECRETO Nº 5626, de 22 de dezembro de 2005. Brasília.
AMARO, D. G. Educação Inclusiva. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.
ALMEIDA, Elisabete Crepaldi; DUARTE, Patrícia Moreira. Atividades ilustradas em sinais de libras. São Paulo: Reinter, 2004.
Complementar
LIMA, P.A. Educação Inclusiva e Igualdade Social. São Paulo: Avercamp, 2006. 
BRASIL.Ministério da Educação.Secretaria de Educação Fundamental.Parâmetros Curriculares Nacionais: Adaptações Curriculares.Secretaria de Educação Especial.Brasília:MEC/SEF/SEESP,1999.
LACERDA, Cristina B. F. de. Intérprete de libras: em atuação na educação infantil e no ensino fundamental. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2010. 
GESSER, Audrei. Libras? que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola, 2009. (Série Estratégias de Ensino; n. 14). 
CAPOVILLA, Fernando C. & Raphael, Walkiria D. Dicionário: Língua de Sinais Brasileira – LIBRAS. Vol. I e II. 2ª Ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.




ATIVIDADES COMPLEMENTARES
Carga Horária: 100 h
Objetivos: As Atividades Complementares têm como objetivo promover a diversidade e enriquecer a formação durante a graduação, por meio da participação do aluno em vários tipos de eventos essenciais à formação do profissional, visando à ética e sua autonomia.



1.7 METODOLOGIA

Conforme o seu Projeto Pedagógico Institucional, a FIPEN considera o aluno em sua totalidade e o Currículo não pode ser analisado de outra forma. Os Docentes, semestralmente, revisam os conteúdos programáticos, discutem as estratégias de ensino e a forma do desenvolvimento das atividades do semestre. Isto possibilita um trabalho integrado e participativo, além de uma melhoria contínua. A auto-avaliação colabora com informações e análises para esta reflexão na qual participa o conjunto dos Professores.
As atividades desenvolvidas buscam a interdisciplinaridade, a contextualização com o ambiente externo e o respeito pelo indivíduo, sendo sempre voltadas ao desenvolvimento das competências previstas no Projeto Pedagógico do Curso. O processo de ensino e aprendizagem é desenvolvido por meio de aulas teóricas e atividades práticas que complementam e fixam a compreensão da teoria, além de possibilitarem ao alunado o desenvolvimento da capacidade investigativa.
Conforme Morin (2000; p.47): “Conhecer o humano é, antes de mais nada, situá-lo no universo e não separá-lo dele”. É neste contexto que se desenvolve o Sistema Educacional da FIPEN, pois considera relevante a interação do ser humano com à sociedade. 
Para Demo (2002, p.20), “modernidade significa o desafio que o futuro acena para as novas gerações, em particular seus traços científicos e tecnológicos.”. A modernidade, portanto, não se constitui em analisar o presente ou aceitar padrões sociais que definem o que é moderno, mas em fazer e construir o futuro. Isso só é possível quando os agentes envolvidos pesquisam e intervém de forma construtiva e ética. Para preparar o indivíduo para essa postura e para obtenção das competências necessárias que o capacitam para a ação é necessário que ele desenvolva atividades questionadoras e problematize na sua prática cotidiana. A FIPEN possui esta concepção em sua abordagem pedagógica, portanto tem uma orientação voltada à participação, ao dialogo, à reflexão e à integração entre Discentes, Docentes, Gestores e Comunidade Externa, visando a construção contínua do seu Projeto Pedagógico.
Ainda, em uma perspectiva dialógica e centrada em valores humanos, se desenvolvem os projetos dos Cursos, com estratégias de ensino-aprendizagem e avaliações que tendem a auxiliar ao discente na construção do aprendizado.
Conforme o Capítulo IV, art 43, da Lei de Diretrizes e Bases Nacional, Lei 9294/96, foi construída a concepção pedagógica da FIPEN e tem sido desenvolvida a sua prática pedagógica. Portanto, torna-se necessário comentar cada inciso que o compõe:

“I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo;”

A Instituição sempre estimulou o caráter investigativo e interesse pela pesquisa, por meio de atividades, discussões em sala, trabalhos realizados de forma conjunta e atividades. Este estímulo ocorre desde o momento em que o aluno inicia o seu curso, mas destaca-se no momento em que ele desenvolve trabalhos interdisciplinares e de forma contextualizada ao ambiente externo. O trabalho de conclusão de curso, o estágio e outras atividades, integrados às disciplinas devem ser instrumentos relevantes para a compreensão da realidade e da necessidade do desenvolvimento da capacidade investigativa. A abordagem pedagógica visa propiciar, ao aluno, construir o conhecimento de forma conjunta com o aprendizado. A auto-avaliação da FIPEN é uma forma de estímulo à reflexão, pois é construída em conjunto com alunos, docentes, técnicos-adminstrativos e gestores e possibilita as diversas ópticas.

“II - formar diplomados nas diferentes áreas de conhecimento, aptos para a inserção em setores profissionais e para a participação no desenvolvimento da sociedade brasileira, e colaborar na sua formação contínua;”

A integração entre disciplinas, áreas, cursos e indivíduos com formação, origens e culturas diferentes é muito rico para o desenvolvimento do pensamento de forma transdiciplinar, além de ser fundamental para a multicultura e para a compreensão da sociedade, por meio de uma análise ampla.

A educação contínua é sempre incentivada, por meio de discussões, debates, orientações e pesquisa que demonstram a relevância do aprimoramento.

“III - incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando o desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura, e, desse modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive;”

Os incisos anteriores estão muito relacionados, pois a reflexão, a interdisciplinaridade e a educação continuada são fatores contributivos e motivacionais ao desenvolvimento da pesquisa. Para tal, a FIPEN desenvolve atividades e aulas que abordam o tema de forma compartilhada entre docentes e discentes.

“IV - promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, de publicações ou de outras formas de comunicação;”

Este fator é fundamental e, desde o início da primeira turma de graduação, a FIPEN divulga o trabalho dos alunos, além de possuir a curva de maturidade docente, que objetiva a incentivar, entre outros fatores, a produção e a publicação dos professores.

“V -  suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão sendo adquiridos numa estrutura sistematizadora do conhecimento de cada geração;”

O desejo pela educação permanente é incentivado por meio de atividades práticas, ações, debates, aulas e palestras. Também é demonstrado pela sua proposta de educação continuada, conforme o PPI – Projeto Pedagógico Institucional.

“VI - estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer com esta uma relação de reciprocidade. 

A Educação não pode estar distante dos problemas sociais e uma Instituição de Ensino deve, necessariamente, intervir na sociedade de maneira colaborativa por meio de suas atividades. A FIPEN, desde o seu início, tem uma relação muito forte com o seu entorno e os alunos sempre foram incentivados a esta interatividade, até pelo caráter humano, construtivista e participativo do Projeto Pedagógico Institucional. 

“VII - promover a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das conquistas e benefícios resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e tecnológica geradas na instituição”.

A Extensão está presente nos Cursos que são ministrados, nas atividades que são desenvolvidas e na prática cotidiana. Também pode ser demonstrada pelos trabalhos desenvolvidos em sala, pelas atividades integradas, pelas oficinas profissionalizantes, pelos Trabalhos de Conclusão de Curso e pelos estágios profissionais não obrigatórios.

Estes aspectos citados impactam no processo desenvolvido de ensino aprendizagem para o Curso, que busca atender as competências previstas que são garantidas por meio das certificações coitadas no perfil do egresso.
 
A garantia de que a metodologia é efetiva é acompanhada pela autoavaliação, além das reuniões pedagógicas e dos mecanismos de reflexão institucional que envolve alunos e docentes.  

1.8 ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Por meio das Atividades Complementares, hão de se estabelecer diretrizes que permitam ao estudante trilhar sua própria trajetória acadêmica, preservando sua identidade e sua vocação, além de possibilitar uma formação mais sólida.
Tais atividades ampliam o espaço de participação do aluno no processo didático-pedagógico, no qual deve ser sujeito da relação pedagógica, consoante a tendência da legislação e das políticas educacionais no sentido de flexibilizar os cursos, dando oportunidade ao aluno de buscar uma formação de acordo com suas aptidões.
A FIPEN, objetivando um curso superior mais dinâmico, com ênfase especial no estímulo da capacidade criativa e da co-responsabilidade do aluno no processo de sua formação definiu, em manual próprio que, para a integralização curricular, o aluno deve cumprir uma carga horária mínima de 100 horas referentes a Atividades Complementares.
A seguir descreve-se As Atividades Complementares:
Art. 1º As Atividades Complementares integram a parte flexível do currículo do curso de graduação, ministrado pela FIPEN, sendo o seu integral cumprimento indispensável para a obtenção do diploma de graduação.
Art. 2º As Atividades Complementares são coordenadas por professores responsáveis designados pela Faculdade.
§ 1º A Coordenação das Atividades Complementares é privativa de docente dos Cursos.
§ 2º O cumprimento da carga horária total das Atividades Complementares deve ser realizado em, pelo menos, quatro semestres letivos e o Conselho Departamental semestralmente aprovará quais a atividades serão ofertadas, conforme a necessidade do alunado.
§ 3º Cabe ao Professor responsável pela Atividade Complementar orientar o aluno na freqüência e certificação dessas atividades, com recurso para os Coordenadores de Cursos e, deste, em instância final, para o Conselho Departamental.
Art. 3º Cabe ao aluno comprovar, junto às Coordenadorias de Cursos, a sua participação nas atividades previstas no parágrafo 3º, após prévia aprovação da Coordenação de Curso, em formulário próprio.
Parágrafo único. Compete às Coordenadorias de Cursos encaminhar à Secretaria da Faculdade as comprovações das atividades de que trata este artigo.
Art. 4º O presente manual só pode ser alterado pelo voto da maioria absoluta dos membros do Conselho Departamental.
Art. 5º Compete ao Conselho de Curso dirimir dúvidas referentes à interpretação deste Manual, assim como suprir as suas lacunas, expedindo os atos complementares que se fizerem necessários.
Art. 6º Este Manual entra em vigor imediatamente após a autorização do curso de Tecnologia de Gestão Comercial, devendo os itens das atividades complementares serem revistos semestralmente.

ITEM    DISCIPLINAS/ATIVIDADES    CH(*)
I    Disciplinas extracurriculares, oferecidas pela FIPEN –Instituto Paulista de Ensino superior.    80
II    Projetos de pesquisa ou iniciação científica, orientados por docente da Faculdade, aprovados pelo Conselho de Curso.    80
III    Programas de extensão, sob orientação de professor da Faculdade, aprovados pelo Conselho de Curso.    80
IV    Cursos de extensão na área de interesse do curso ou de atualização cultural ou científica.    80
V    Monitoria.    80
VI    Eventos diversos na área do Curso e visitas orientadas.    40
VII    Cursos de idiomas.    40
VIII    Cursos na área da computação e da informática.    40
IX    Participação em atividades extracurriculares de assistência ou assessoria, na área do Curso, a populações carentes ou de baixa renda, diretamente ou por intermédio de associações, ONG’s ou sindicatos, mediante convênio com a Faculdade.    40
X    Estágios extracurriculares.    80
XI    Atividades de voluntariado.    40
XII    Programas de atualização de conteúdos de formação profissional    80
XIII    Projetos desenvolvidos com as parcerias/convênios    40


 
A FIPEN, também, oferece como atividades complementares diversas palestras, eventos, além de realizar oficinas.  O tema central das oficinas do ano seguinte e o professor que será seu coordenador são definidos em reunião pedagógica. Definido o tema central, os professores definem os subtemas que serão trabalhados pelos alunos.
Ao longo do semestre letivo os alunos, sob a orientação do professor, estudam o subtema, fazendo pesquisa de campo e/ou bibliográfica, e escrevem um artigo científico.
Conforme previsto no Calendário Escolar, os alunos apresentam, para a comunidade acadêmica e demais convidados, o resultado de suas pesquisas, reflexões e discussões em equipes


 




 

 

 


 

(*) CARGA HORÁRIA MÁXIMA, POR ATIVIDADE.
A FIPEN realiza ações para nivelamento, que podem ser utilizadas pelo alunos como atividades complementares. As ações são as seguintes: 
ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFERTADAS PELA FIPEN    CARGA HORÁRIA POR PERÍODO
Oficina de Teatro    24h
Mentoring    16h
Oficina de Redação    12h
Plantões com professores titulares    15h
Revisão de Estatística    24h
Revisão de Matemática    24h
Libras    40h

1.9 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO – TCC

O Trabalho do Curso denominado Projeto Tecnológico é desenvolvido de forma integrada às disciplinas e utilizando-se dos conhecimentos adquiridos durante o Curso, inclusive das Atividades Complementares. No segundo semestre é ofertada a disciplina -Metodologia para Elaboração de Projeto- e no terceiro e quarto semestres  -Projeto Tecnológico I e II-, respectivamente.
Conforme o -Manual de Projeto para os Cursos de Tecnologia da FIPEN-,  o Trabalho se desenvolve da seguinte forma:
1.Objetivo do Projeto de Atividade Supervisionado
O principal objetivo do Projeto Tecnológico é oferecer ao aluno a oportunidade de, com acompanhamento do Professor Orientador, identificar um problema empresarial na área do Curso e com apoio da bibliografia indicada e pesquisada, construir respostas ou alternativas às situações consideradas problemas. O Objeto da pesquisa é uma empresa privada ou pública ou uma situação de relevância social. Com essa prática, ganham as organizações, o aluno, a sociedade e a FIPEN, que mais uma vez cumpre com sua responsabilidade de oferecer, à comunidade, a extensão do ensino e da pesquisa, mediante serviços especiais, como preceitua a sua missão institucional.
2.Áreas de Especialização do Projeto Tecnológico
As áreas em que são desenvolvidos os projetos são determinadas no início do Semestre, pelo Conselho Departamental, antes do início em que se realizam as orientações.
3.Orientação dos Projetos Tecnológicos
Os alunos das disciplinas -Projeto Tecnológico I e II- são orientados pelos professores, conforme cronograma apresentado anteriormente para os alunos.
4.Avaliação
A avaliação considera as competências , relacionadas abaixo, incorporadas e demonstradas pelo aluno no desenvolvimento do Projeto depositado:
- Relação do Trabalho e da problematização com o objetivo do Curso e com o perfil profissiográfico previsto no Projeto Pedagógico do Curso;
- Sistematização e metodologia adequadas ao Trabalho;
- Capacidade para interpretar a realidade, reconhecer e definir o problema, equacionando soluções que evidenciem o pensamento estratégico e que introduzam modificações no processo, transferindo-lhe conhecimentos da vida e da experiência;
- Desenvolvimento contínuo do aluno no período de realização;
- Capacidade para compreender processos, tomar decisão e resolver problemas, ordenando as atividades e programas, decidindo entre alternativas;
-Iniciativa e criatividade na determinação do problema e soluções propostas;
- Capacidade de expressão e comunicação compatíveis com o exercício profissional;
- Raciocínio lógico, crítico e analítico, que estabeleça relações formais causais entre os fenômenos, que culminem com o processo de tomada de decisão;
- Visão sistêmica e estratégica, demonstradas na compreensão do todo, de modo integrado e sistêmico;
- Capacidade para propor e implementar modelos de gestão inovadores.

5. O Projeto Tecnológico 
O Projeto Tecnológico corresponde ao trabalho final para conclusão da disciplina e constitui-se de um projeto escrito. O aluno, futuro Tecnólogo, depois de construir e desenvolver o projeto fará a integração dos conhecimentos adquiridos ao longo da formação, com um problema vivenciado. Para tal problema, o aluno elaborará um projeto, com a ajuda do Professor Orientador, para a superação da fragilidade diagnosticada.
O Projeto de Atividades deverá ser estruturado contendo os itens apresentados a seguir:
1 - INTRODUÇÃO
a. OBJETIVOS
b. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROBLEMA, OU PROBLEMÁTICA E JUSITIFICATIVA
c. METODOLOGIA DO TRABALHO OU PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
2 - REFERENCIAL TEÓRICO
3 - ESTUDO DE CASO (optativo)
4 - ANÁLISE DOS RESULTADOS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANEXOS
APÊNDICE
No final do semestre em que cursaram -Projeto Tecnológico II-, os alunos apresentam seus projetos durante as oficinas profissionalizantes, sendo que esse projeto é enviado, antes, para uma banca de professores internos. Durante as oficinas profissionalizantes, os alunos podem 
receber de zero até 2,5. Essa nota é somada à nota do professor que ministra a disciplina -Projeto Tecnológico II-.

1.10 APOIO AO DISCENTE

Os alunos, mesmo antes do ingresso, são orientados, de forma individual, pelo corpo técnico-administrativo, professores, coordenação de curso e direção, a fim de informá-los sobre o Curso e sobre a Instituição, além de auxiliá-los na organização da sua vida acadêmica. No momento da matrícula, seus dados pessoais são cadastrados e, posteriormente, atualizados semestralmente.
Após a definição do Curso e das disciplinas a serem cursadas pelo aluno no semestre, são gerados os Diários de Classe, onde o professor registra o conteúdo programático, presenças, faltas, dias letivos, notas e resultado final.
A Secretaria Geral, de posse destes dados, lança-os no fim de cada semestre, atualizando o Histórico Escolar e Currículo do acadêmico. Todos os registros acadêmicos do aluno ficam disponíveis na secretaria geral, onde constam: matrículas, mensalidades, notas, disciplinas cursadas e a cursar.
As orientações aos discentes são repassadas a fim de trazer maior qualidade e manutenção dos padrões dos serviços prestados. Quanto aos procedimentos de orientação pedagógica e profissional são realizadas atividades e eventos, voltados para a área profissional dos cursos, como:
?    trabalhos de conclusão de curso, com incentivo à pesquisa e apoio ao desenvolvimento de competências para atuação no mercado de trabalho e na sociedade;
?    estágios supervisionados, que auxiliam o alunado a aplicar os conhecimentos adquiridos  em sala;
?    atividades interdisciplinares orientadas ou extraclasse;
?    visitas técnicas, conforme o desenvolvimento das disciplinas;
?    Mentoring, que consiste em uma atividade gratuita. Esta atividade tem como objetivo geral propiciar a evolução de um saber teórico para um saber prático do estudante, construindo sua autonomia universitária acadêmica e profissional. Ofertado na forma de atividade complementar,  ao final, o aluno está apto a desenvolver uma rotina acadêmica; manejar o estudo teórico sobre temas referentes à Gestão; além de perceber as relações de interdisciplinaridade no curso; suas possibilidades de atuação e produzir ferramentas que demonstrem sua trajetória profissional e pessoal.
?    o objetivo de atender à sua missão, que busca valorizar a pessoa humana, compreendida na sua totalidade: um ser em relação com o seu semelhante e o mundo sócio-cultural que o cerca, eclético, criativo, inovador e com capacidade de intervir em diferentes ambientes e situações;
?    seminários e palestras realizadas pelos alunos, por Professores ou por convidados externos.
Os acadêmicos participam de estudos e atividades de pesquisa por meio da elaboração de projetos orientados pelos docentes.
Os usuários têm acesso ao laboratório de Informática em horário de aula, com acompanhamento do professor. Quanto ao uso da biblioteca, os acadêmicos têm acesso em tempo integral. São considerados usuários em potencial, os alunos matriculados, professores e técnicos-administrativos da FIPEN. 
A FIPEN possui, ainda, como mecanismos de nivelamento, além do acompanhamento dos alunos em sala, atividades complementares ofertadas com este objetivo. As atividades complementares ofertadas com o objetivo de nivelamento, conforme citado anteriormente, são:

ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFERTADAS PELA FIPEN    CARGA HORÁRIA POR PERÍODO
Oficina de Teatro    24h
Mentoring    160h
Oficina de Redação    12h
Plantões com professores titulares    15h
Revisão de Estatística    24h
Revisão de Matemática    24h
Libras    40h



1.11 AÇÕES DECORRENTES DOS PROCESSOS DE AVALIAÇÃO DO CURSO

1.11.1 PROCESSO DE AUTOAVALIAÇÃO

1.11.1.1 INTRODUÇÃO

As dez dimensões estabelecidas na Lei 10.861, de 14 de abril de 2001, servem de parâmetro para que a FIPEN faça a sua autoavaliação Institucional. Este trabalho tem o propósito de:
-promover a reflexão e a ação da direção da FIPEN e dos seus órgãos colegiados em relação à prática das dimensões que dão forma à realidade institucional; 
-propor um roteiro para a construção dos instrumentos de avaliação pelos membros da comunidade acadêmica, a saber: corpo docente, discente e funcionários técnico-administrativos;
-atender aos requisitos legais, que estimulam a adoção de práticas acadêmicas, que culminam nos bons resultados avaliativos da  FIPEN;
-envolver a comunidade em um processo de reflexão e melhoria contínua;
-integrar as avaliações externas (Institucional e de Curso) ENADE, IDD, CPC e IGC

1.11.1.2 OBJETIVOS DA AVALIAÇÃO

OBJETIVOS
Essa proposta de autoavaliação consiste no planejamento para o levantamento de dados, a ser realizado e revisto anualmente, com o objetivo de se fazer uma autoavaliação para identificar fragilidades, bem como potencialidades da instituição, para que sejam tomadas decisões com vista ao aprimoramento da qualidade do Projeto Pedagógico da FIPEN. Este projeto está integrado ao SINAES – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior.
Sabe-se que a qualidade em educação é resultante da interação de diferentes dimensões, envolvendo desde a infra-estrutura física até os mecanismos de integração da Instituição de Ensino ao contexto social em que se situa e com o qual interage.
Destaca-se que todo processo avaliativo exige o envolvimento e o comprometimento de todos os implicados nele, a saber: direção/mantenedora, coordenação, professores, alunos e funcionários. Todos esses atores, conhecidos como comunidade acadêmica, são responsáveis pela qualidade da educação que a instituição pratica. Responsáveis porque em suas mãos estão os aspectos que podem tornar a Faculdade FIPEN um excelente lugar para se promover a cidadania e o desenvolvimento de habilidades profissionais, com ética, justiça, inclusão social, respeito e solidariedade.
Tais valores são implementados nos aspectos que, nessa proposta, chamamos de proposições. À medida que tais proposições alcançam, por meio de suas avaliações e das ações de melhoria contínua, seus graus de excelência, a FIPEN vai se tornando cada vez mais um excelente lugar para a construção e propagação desses princípios.
Destaca-se que os resultados da autoavaliação são analisados e incorporados no planejamento da gestão acadêmico-administrativa da FIPEN, conforme a viabilidade e os objetivos institucionais.

1.11.1.3 PRINCÍPIOS DA AUTOAVALIAÇÃO

Os Princípios da Autoavaliação FIPEN são:
?    Globalidade, pois considera as diferentes ópticas e a diversidade de instrumentos (quantitativo, qualitativo e análise documental), 
?    Universalidade, pois aborda as 10 dimensões, além de desenvolver a autoavaliação de forma integrada à comunidade interna e externa, inclusive considerando as avaliações oficiais do MEC/INEP;
?    Ética e transparência, pois toda a comunidade conhece os objetivos e participa de forma construtiva para o desenvolvimento do processo;
?    Melhoria contínua por meio da reflexão e análise.
A autoavaliação é um processo contínuo por meio do qual a FIPEN construirá conhecimento sobre sua própria realidade, buscando compreender os significados do conjunto de suas atividades para melhorar a qualidade educativa e alcançar maior relevância social. Para tanto, há a necessidade de as informações representarem realmente a percepção de cada respondente, pois só assim, mais tarde, no momento da sistematização e análise, serão identificadas de fato as fragilidades, para estabelecermos as estratégias de superação desses problemas, e os pontos fortes, para identificarmos as potencialidades da FIPEN. A autoavaliação é, pois, um processo cíclico, criativo e renovador de análise, interpretação e síntese das dimensões que definem a FIPEN.
Dessa forma, o processo de autoavaliação da FIPEN foi conduzido e operacionalizado pela CPA, mas elaborado pelos atores da comunidade acadêmica, a saber: corpo docente, corpo discente, corpo técnico-administrativo.

1.11.1.4 DIMENSÕES

As dimensões avaliadas são as propostas pelo SINAES e estão em conformidade ao art. 3° da Lei nº. 10.861/2004.

1.11.1.5 METODOLOGIA
 
A autoavaliação se utiliza da comparação dos dados e das modificações ocorridas ao longo de cada ano, o que proporcionará um melhor conhecimento da instituição e oferecerá elementos para a formulação de políticas e planos de melhoria que correspondam às necessidades reais e possibilitem garantir a qualidade do ensino FIPEN.
Os instrumentos utilizados são os seguintes:
1. Análise dos resultados das auto-avaliações de Cursos, Institucionais e do ENADE, com o objetivo de verificar as recomendações e realizar melhorias;
2. Elaboração, aplicação e análise de instrumentos quantitativos aplicados sobre as 10 (dez) dimensões, para coleta das ópticas dos alunos, docentes e funcionários, com o objetivo de comparar o desempenho anual, verificar as potencialidades e fragilidades e realizar melhorias;
3. Elaboração, aplicação e análise de instrumentos qualitativos, com o objeto de complementar as informações, onde os gestores de cada dimensão descrevem as potencialidades, fragilidades e realizam propostas de melhoria.
4. Análise documental e verificação “in loco” à instituição, realizada pelos responsáveis das áreas e com acompanhamento e orientação da CPA (Comissão Própria de Avaliação);
5. Encontros com alunos, docentes e funcionários para discussão e análise das dez dimensões, propondo a auto-reflexão e propostas de melhoria contínua. Os encontros abordam: 
a.    SINAES. objetivos, sistemática, Avaliação de Cursos e Institucional;
b.    Missão e objetivos da FIPEN, Plano de Desenvolvimento Institucional, Projeto Pedagógico Institucional e Projeto Pedagógico de Cursos;
c.    Resultados do Processo avaliativos.
d.    Uma discussão em grupo sobre as dez dimensões, destacando as potencialidades, fragilidades e as propostas de melhoria.
As etapas da avaliação para cada ciclo são:
1. Preparação, que consiste em:
a.    Composição da CPA (Comissão Própria de Avaliação). Realizada no início do processo e os membros são revistos em todos os ciclos;
b.    Atividades para sensibilização da Comunidade Acadêmica sobre todo o processo, para tal são realizadas reuniões abertas com os alunos, docentes e técnico-administrativos; 
c.    Elaboração do projeto de autoavaliação, em que participaram os membros da CPA e há discussão ao início de cada ciclo.
2. Desenvolvimento, com as ações:
a.    Elaboração dos instrumentos avaliativos;
b.    Coleta de documentos relativos a todas as dimensões, realizado por meio de solicitação dos documentos para as áreas responsáveis e aplicação dos instrumentos quantitativos e qualitativos;
3. Consolidação, por meio:
a.    Da tabulação dos instrumentos avaliativos e análise dos documentos e resultados;
b.    Da elaboração de relatórios, sintetizando as potencialidades, fragilidades e recomendações para cada dimensão;
c.    Da difusão para comunidade, por meio de e-mail, sítio, “banner” e apresentação em auditório.
4. Reavaliação do plano para o próximo ciclo, conforme a proposta de melhoria contínua.

1.11.1.6 DIFUSÃO E UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS

Os resultados são amplamente divulgados pela Instituição, pois é elaborado BANNER, realizada apresentação em Auditório, divulgação por meio de e-mail e sítio da FIPEN, além da discussão e análise dos membros da CPA e pelos Gestores da FIPEN.
Com os resultados, objetiva-se revisar os processos e as práticas cotidianas, além de elaboradas recomendações para análise do Plano de Desenvolvimento Institucional, do Projeto Pedagógico Institucional e dos Projetos Pedagógicos dos Cursos (Administração e os futuramente ofertados). 

1.11.1.7 REPLANEJAMENTO

Em conformidade ao princípio da melhoria contínua ao final de cada ciclo é revisado o projeto pedagógico, considerando-se as dificuldades e as possíveis melhorias.

1.11.1.8 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Prosseguindo na concretização das etapas do projeto de auto avaliação, é enviado ao INEP, ao final de cada ciclo um relatório contendo resultados, potencialidades, fragilidades e propostas para melhoria. 

1.11.1.9 BIBLIOGRAFIA

BRASIL. Lei nº 10.86l, de 14 de abril de 2004. 2004
BRASIL. Portaria n.º 2051, de 09 de julho de 2004. 2004.
BRASIL. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2005. 2005.
Freitas, A.L.P. A Auto-Avaliação de Instituições de Ensino Superior: Uma Importante Contribuição para a Gestão Educacional. UENF.
MEC/CONAES/INEP. Diretrizes para Auto-Avaliação das Instituições. 
_________________ Orientações Gerais para o Roteiro da Auto-Avaliação das Instituições. 2004.
SINAES/ENADE ? Questionário Socioeconômico. 2004
http://www.inep.gov.br/superior/condicoesdeensino/perguntas_frequentes.htm

1.11.2 AÇÕES REALIZADAS

Prosseguindo na concretização das etapas de nosso pré-projeto de auto-avaliação, enviado ao INEP, ao final é realizado um relatório descritivo contendo:
a)    as ações planejadas no pré-projeto de auto-avaliação e nesta proposta;
b)    as ações realizadas;
c)    os resultados alcançados em cada uma das dez dimensões definidas na Lei 10.861, que estão configuradas em cada uma das proposições que formam os três modelos de avaliação apresentados, destacando as fragilidades e as potencialidades; 
d)    as ações de superação das fragilidades e de aproveitamento das potencialidades; e
e)    a descrição de como os resultados obtidos são/estão incorporados no planejamento da gestão acadêmico-administrativa da FIPEN.
As ações realizadas resultam em melhorias como aquisição de acervo, revisão dos Projetos Pedagógicos de Curso, melhoria nas práticas pedagógicas, propostas para expansão e criação de cursos, melhoria da infra-estrutura e outros.
A Instituição, ainda, com a utilização das avaliações do ENADE realizou revisão dos seus conteúdos e com as avaliações do INEP analisa as suas potencialidades e  possibilidades de melhoria, revendo as suas práticas.

1.12 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO – TICS NO PROCESSO APRENDIZAGEM

A infra-estrutura de informática da FIPEN possui 2 laboratórios, Um, de 70 metros quadrados (7m2x10m2), localizado no térreo, com 10 estações, e outro com 30 estações no 1ºandar, eles visam prover acesso a internet através de um link de banda larga além das ferramentas que permitam aos alunos elaborarem trabalhos e acompanharem o conteúdo das aulas. Também são disponibilizados acessos a internet nas dependências da escola em qualquer plataforma móvel no prédio principal. No próximo ano, esse serviço será estendido às dependências da biblioteca. Tal infra-estrutura de equipamentos e espaços físicos possibilita que os alunos utilizem os equipamentos disponibilizados de maneira excelente, pois de um lado, a maior parte dos alunos utiliza os equipamentos da própria escola e, de outro, com a internet nas dependências de toda a escola, outros alunos trazem seus próprios notebooks.  A IES conta, ainda, com uma sala de multimídia de 52 metros quadrados (9,80 m² x 5,33 m²), onde há um computador e um projetor CTX. No anfiteatro, de 75 metros quadrados (5,00 m² x 15,00 m²),  há uma TV de 29’, um DVD, um datashow e um quadro branco.
Os microcomputadores possuem pacote office atualizado, media player; Cd player'; dvd player; celular; e-mail;internet para pesquisa; vídeos; planilhas eletrônicas; editor de textos; criação de formulários eletrônicos na internet.
A FIPEN possui, ainda:
•    Moodle como ferramenta de apoio pedagógico, sendo que tem uma equipe de suporte;
•    softwares específicos para as disciplinas em geral: CMAPTOOLS
•    Software de plano de negócios, para aplicação na disciplina  Empreendedorismo e Plano de Negócios:
•    Software para elaboração de planejamento estratégico. 
•    Software para construção de Fluxogramas, denominado “DIA”.
•    Software para folha de pagamento, denominado "Folha de Pagamento para Windows - FOLHA 6”
•    Recursos em sala de aula, que são microcomputadores, acesso a internet e datashow. 


1.13 PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DOS PROCESSOS ENSINO APRENDIZAGEM

A seguir está descrito o Sistema de Avaliação do Processo de Ensino Aprendizagem, conforme Regimento da FIPEN:

Capítulo V
DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR
Artigo 46 - A avaliação do desempenho escolar é feita por disciplina, considerando-se a frequência e o aproveitamento em cada semestre letivo.
Parágrafo 1º  - Para efeito da organização do semestre letivo, o mesmo será divido em 2(dois) bimestres.
Artigo 47 - A frequência às aulas e demais atividades programadas, permitidas apenas aos matriculados, é obrigatória, sendo vedado o abono de faltas.
Parágrafo 1°- A verificação e registro da frequência é de responsabilidade do professor, e seu controle feito pela Secretaria.
Artigo 48 - O aproveitamento escolar é avaliado através do acompanhamento contínuo do aluno e dos resultados por ele obtidos nas provas, exercícios, exames e demais atividades programadas em cada disciplina.
Parágrafo 1° - Compete ao professor da disciplina elaborar, em cada bimestre, exercícios escolares, provas e determinar os demais trabalhos bem como lhes julgar os resultados.
Parágrafo 2° - As avaliações serão realizadas em datas determinadas pelo professor de cada disciplina, sendo os seus resultados sintetizados numa única nota bimestralmente entregue na Secretaria, segundo o calendário escolar divulgado.
Parágrafo 3º - A cada verificação de aproveitamento é atribuída uma nota, expressa em grau numérico de zero (zero) a 10 (dez), com aproximação em décimos.
Parágrafo 4º - Os alunos que tenham extraordinário aproveitamento nos estudos, demonstrando por meio de provas e outros instrumentos de avaliação específicos, aplicados por banca examinadora especial, poderão ter abreviada a duração dos seus cursos, de acordo com as normas dos sistemas de ensino.
Artigo 49 - A nota por disciplina, é obtida no bimestre através da média apurada entre as notas de provas, trabalhos, exercícios, projetos, relatórios e demais atividades programadas, conforme critério de avaliação estabelecido no planejamento de cada semestre letivo pelo conjunto dos professores e coordenadores.
Parágrafo 1º: A média final de cada disciplina, no semestre, será calculada pela média aritmética das 2(duas) notas bimestrais obtidas.
Parágrafo 2º: Poderá ser concedida revisão da nota atribuída, quando requerida pelo interessado, no prazo de dois (dois) dias da divulgação.
Artigo 50 - São condições de aprovação, no semestre, para cada disciplina: 
I - Ter tido durante o semestre a frequência mínima de 75 % (setenta e cinco por cento) às aulas e demais atividades programadas; 
II - Ter média final igual ou superior a 6,0 (seis).
Parágrafo Único: O aluno será submetido a exame com média final igual ou superior a 4,0 (quatro) e inferior a 6,0 (seis).
Artigo 51 - O resultado após o exame final, em cada disciplina, deverá ter, no mínimo, média final igual ou superior a 6,0 (seis).
Parágrafo Único: Para a obtenção da média final após o exame, é utilizada a fórmula:
    ((Média  final antes do exame) + (Nota do exame))/2
Artigo 52 - Caso não seja obtida a aprovação em uma ou mais disciplinas após o exame, o aluno poderá requerer regime de dependência, admitido no máximo para três disciplinas, observada a compatibilidade de horários e as mesmas exigências de frequência e aproveitamento previstas para as disciplinas regulares.


1.14 NÚMERO DE VAGAS

Diante da identificada necessidade da região, conforme pesquisa de mercado, os moradores de Osasco, muitas vezes não podem ocupar posições e assumir funções devido à formação. Portanto, com o objetivo de ofertar um ensino diferenciado e com qualidade a FIPEN se propõe a ofertar 50 vagas por semestre, no período noturno.

1.15 O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA E A FORMAÇÃO DO ALUNO

Há a previsão do desenvolvimento de pesquisa e inovação tecnológica, com participação de estudantes; pois a FIPEN possui a Revista Científica Hermes, que  consiste em um periódico semestral, com ISSN 2175-0556, que é publicado desde 2009, sendo classificado como B5 nas seguintes áreas: “Administração, Ciências Contábeis e Turismo” e “”Engenharia III” , conforme a avaliação do triênio 2010-2012. 
Também são realizados trabalhos e atividades durante o Curso a fim de incentivar a produção e a pesquisa, sempre vinculados à extensão.
A seguir apresenta-se um edital elaborado e divulgado:

EDITAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTIFICA
EDITAL DE CHAMADA DE ALUNOS PARA O PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

1.  INSCRIÇÃO
a.    Inscrição: Até 30.06.2012
b.    Local de inscrição: Secretaria da Faculdade;
c.    A inscrição será feita mediante o preenchimento de formulário específico.

2. REQUISITOS PARA A INSCRIÇÃO E SELEÇÃO
a) Quanto à inscrição, o aluno deve:
?    estar regularmente matriculado em curso de graduação;
?    apresentar excelente desempenho acadêmico expresso no histórico escolar;
?    estar até o penúltimo período do curso de graduação;
?    disponibilizar, pelo menos, 4 horas semanais para dedicar-se às atividades acadêmicas e de pesquisa;
?    ser selecionado pelo proponente do projeto.
b) Quanto ao processo de seleção:
?    será realizado em duas etapas: entrevistas dos candidatos inscritos pelo proponente do projeto (orientador) e ratificação da seleção pelo Conselho Departamental;
?    para a entrevista, o candidato inscrito (discente) deverá ter em mãos o recibo correspondente a sua inscrição;
?    o candidato inscrito deverá procurar a Secretaria da Faculdade  para verificar a data agendada para a entrevista;
?    o proponente do projeto deverá procurar a Secretaria da Faculdade  para verificar a data agendada para a entrevista;
?    a classificação dos pedidos será feita mediante a média das notas obtidas nas disciplinas cursadas;
?    o limite é de 2 de vagas;
?    o anúncio dos candidatos selecionados será feito mediante edital específico.

3. COMPROMISSOS DO ALUNO
?    apresentar, após 6 meses de vigência do projeto, Relatório Científico Parcial, contendo resultados parciais da sua pesquisa;
?    apresentar os resultados parciais da pesquisa, sob a forma de exposição oral, acompanhados de Relatório Científico Parcial, quando da realização das Oficinas Profissionalizantes;
?    apresentar, no final da vigência do projeto, Relatório Científico Final, contendo resultados completos da pesquisa;
?    apresentar os resultados finais da pesquisa durante a semana de apresentação das Oficinas Profissionalizantes;
?    fazer referência à sua condição de aluno de Iniciação Científica da FIPEN nas publicações e trabalhos apresentados;
?    caso os requisitos e compromissos estabelecidos acima não sejam cumpridos, o aluno é desvinculado do projeto.

4. DURAÇÃO DO PROJETO
Por um período de 12 meses, admitindo-se renovações, a critério do orientador.

5. ATIVIDADES CURRICULARES
A atividade de iniciação científica poderá ser utilizada como horas para as atividades complementares.

6. CERTIFICADO
O aluno e o orientador fazem jus ao certificado proporcional ao período da atividade desenvolvida.

7. CONDIÇÕES PARA RENOVAÇÃO DO PROJETO OU DO ALUNO
O professor-orientador poderá requerer renovação do(s) seu(s) aluno(s) através de carta dirigida ao Diretor Acadêmico justificando o pleito.

José Roberto Rogero
Diretor Acadêmico

A seguir apresenta-se um projeto de Pesquisa que está sendo desenvolvido, de forma interdisciplinar, pelos Cursos de Tecnologia:

1.    Título do projeto de Pesquisa
Os estilos de liderança presentes nas organizações de Osasco e região.  

2. Apresentação e objetivo:
Este projeto de pesquisa se propõe a identificar e analisar os tipos de liderança presentes em Osasco e região, considerando as diferentes áreas de atuação e porte das empresas que atuam neste cenário.
O objetivo do projeto é verificar empiricamente se as pessoas que ocupam uma posição hierárquica de “comando” estão fazendo frente às necessidades impostas pelo mundo atual. Em suma, essas pessoas conhecem às necessidades atuais de gestão? Quais paradigmas de gerir os negócios e as pessoas fazem parte da prática diária nas organizações? Quais obstáculos podem impedir o exercício da liderança?
Do mesmo modo, este projeto pretende fornecer dados e análises precisas que permitam aos interessados manter ou modificar práticas de gestão, além de produzir conhecimento que possa auxiliar futuros empreendedores na condução de seus negócios.
A fim de aferir dados mais confiáveis e que possam identificar os estilos de liderança presentes na região de Osasco, a pesquisa, ora proposta, pretende considerar tanto os líderes em posição de comando, quanto seus subordinados, ressalvando-se que essa abordagem poderá abarcar todos os colaboradores de um determinado gerente ou ser feita por meio de amostragem. 
Ainda, para fins de pesquisa, optou-se em segmentar o universo pesquisado, de acordo com a atividade exercida pelas empresas.  Dessa forma, têm-se:
1° Setor de Comércio (Varejista de rua, Atacadista, Varejista de shopping) 
2° Setor de Serviços (Prestadores de serviços como: escolas, bancos, transportadoras, hospitais, entre outros)
3° Setor da Indústria (Metalúrgicas, indústria de cosméticos, indústrias químicas, entre outras)
Além de a pesquisa diferenciar os diferentes setores de atividade, também procurará distinguir as empresas pesquisadas de acordo com o porte das mesmas. 
Para definir o porte de uma empresa, utilizar-se-á o critério de números de funcionários adotado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às micros e pequenas empresas (SEBRAE).
NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS:
Porte/Setor    Comércio e Serviços    Indústria
Microempresas    Até 9    Até 19
Empresas de Pequeno Porte    De 10 a 49    De 20 a 99
Empresas de Médio Porte    De 50 a 99    De 100 a 499
Empresas  de Grande Porte    Acima de 100    Acima de 500

Não será considera a distinção entre micro, pequena, média e grande empresa levando em conta o faturamento das mesmas, devido à dificuldade na obtenção dos dados e o risco de se trabalhar com informações imprecisas.
Há hoje, no Brasil, mais de quatro milhões de pequenas e médias empresas formais. Elas são responsáveis por mais de 50 % dos empregos, por 70 % das vendas e participação na ordem de 25 % do PIB nacional (SEBRAE, 2006). Esses números dão a dimensão da importância das micros e pequenas empresas no país. Dessa forma, o estudo proposto contemplará, inicialmente, o grupo das micros e pequenas empresas, passando em seguida para o das empresas de médio porte e, finalmente, alcançando as grandes empresas da região. 

3. Justificativa
O mundo corporativo hoje é marcado por intensas mudanças (tecnológicas, ambientais e comportamentais) que exigem das pessoas uma enorme capacidade de adaptação e transformação.  Para fazer frente a essas mudanças ganha destaque o papel desempenhando pelo gestor, que deve adotar uma postura mais democrática e participativa e promover uma liderança partilhada com a equipe de trabalho.
Em resumo, uma gestão democrática e participativa é o que preconizam os estudos mais recentes na área de Administração de Empresas. Mas, conforme alerta Warren Bennis, democracia não deve ser confundida com permissividade. Para o estudioso esse termo deve ser usado pensando em um sistema de valores que incluem:
Comunicação total e livre, independente de posição e poder; utilização de consenso ao invés da coerção (...) para administrar conflitos; a idéia de que a influência é baseada em competência e conhecimentos técnicos (...); uma atmosfera que permita e até mesmo incentive a expressão de emoções, bem como um comportamento orientado para as tarefas; uma tendência basicamente humana que aceita que o conflito entre a organização e o indivíduo é inevitável, mas que deseja administrar e mediar esse conflito em bases racionais. (BENNIS, 1999, p.42).
Refletir sobre gestão participativa pode levar o público interessado a questionar se os estudos desenvolvidos em países de culturas tão distintas da nossa podem ser aplicados à realidade social, cultural e econômica brasileiras. 
 Talvez por razões históricas – de um país marcado pelo autoritarismo e de pouca experiência democrática -  a realidade brasileira esteja mais próxima do que afirma Eliana Pessoa:
Atualmente o discurso do líder está na boca de todo chefe. Mas há uma discrepância, uma dissonância, e grande, entre o discurso e a prática – talvez até ainda inconsciente. Mudou-se a forma de pensar, mas não se conseguiu introduzir um novo comportamento, um novo hábito. Na maioria das organizações está-se ainda no primeiro estágio o de tomar consciência de que é preciso olhar para o grupo de trabalho de uma nova forma. (PESSOA, 2005) 
Portanto, levando em conta a afirmação de Pessoa de que ainda estamos no estágio de “tomar consciência” da nova visão que permeia as relações humanas no trabalho, e considerando nossa história, nossa herança autoritária, percebe-se a complexa tarefa que envolve o tema da liderança entre nós.  
Nesse sentido, torna-se justificável a realização de estudos que reflitam a realidade brasileira no que concerne a identificação dos perfis de liderança presentes na sociedade, por meio da análise das práticas que sustentam determinado estilo. 
De acordo com a visão tradicional de gerência, o gerente toma suas decisões de forma racional, é um planejador sistemático, além de coordenar e supervisionar as atividades da organização. 
Mesmo hoje, verificam-se duas dimensões no trabalho gerencial, uma objetiva e outra subjetiva. Conforme definiu Katz, as habilidades relacionadas ao conhecimento técnico são:
“habilidade técnica: a aptidão técnica subentende compreensão e proficiência num determinado tipo de atividade, especialmente naquela que envolva método, processo e procedimentos ou técnicas. A habilidade técnica compreende conhecimento especializado, aptidão analítica dentro da especialidade e facilidade no uso de instrumentos e técnicas de cada matéria.” (KATZ, 1986)
As atividades ligadas às habilidades subjetivas são bem mais complexas por dependerem da interação humana, conforme se verifica abaixo:
“habilidade humana: é a qualidade de o administrador trabalhar eficientemente como integrante de um grupo e realizar um esforço conjunto com os demais componentes da equipe. Inclui, também, as aptidões de conduzir o relacionamento entre grupos. Habilidade conceitual: compreende a habilidade de considerar a empresa como um todo; inclui o reconhecimento de como as diversas funções numa organização dependem uma da outra e de que as mudanças em qualquer uma das partes afeta as demais.” (KATZ 1986)
Sem desconsiderar as habilidades técnicas, este estudo centrar-se-á nas habilidades subjetivas que todo gerente deve possuir para fazer frente ao contexto de mudança e adaptação exigido atualmente.
Para Heifetz (1999), centrando-se no conceito de liderança, ocorre uma evolução gradativa de um estilo de liderança autoritário, fundamentado na orientação da Teoria X, para uma orientação democrática, que busca motivar o empregado a se considerar parte contribuinte da organização, baseando-se nos valores humanos e sociais. A descentralização das decisões e delegação de responsabilidade permite maior grau de liberdade, para que as pessoas desenvolvam suas atividades, assumindo desafios e satisfazendo as suas necessidades de auto-realização. Se houver a participação na tomada de decisão, os empregados passam a se comprometer mais com os objetivos da organização (STONER & FREEMAN, 1995).
As teorias elaboradas sobre liderança estão reunidas em, principalmente, três abordagens:
a) traços de personalidade, ainda é uma teoria muito usada, que busca identificar o conjunto de características de um líder, em geral traços de personalidade comuns de grandes nomes, para propiciar o desenvolvimento da liderança; 
b) estilos de liderança, foca a maneira de agir do líder, baseado na Teoria Behaviorista, procura estabelecer possíveis “estilos” de líderes; ressaltar o que fazem os líderes e não as suas características. Autores que defendem essa linha são: Blake e Mouton, criadores da Grade Gerencial e Rensis Likert, que propõe uma classificação de sistemas de administração, com quatro perfis organizacionais.
c) situacional de liderança, analisa e destaca a liderança como específica em cada situação, ao invés de um tipo especial de personalidade. Fundamenta-se no principio de que cada situação diferente exige formas diferentes de liderança. Seus criadores foram Kenneth Blanchard e Paul Hersey.
Pelo exposto, verifica-se que a liderança é um tema de extrema complexidade, de múltiplas definições e interpretações, com raízes históricas na teoria da administração e influenciadas diretamente por fatores psicológicos, morais e ambientais. 
 
4. Metodologia
A fim de alcançar os objetivos propostos, partiu-se inicialmente de uma revisão crítica da literatura pertinente ao tema, visando a interação com o problema da pesquisa. Dessa forma, o estudo proposto será efetuado quantitativa e, principalmente, qualitativamente. 
Os instrumentos e as técnicas utilizados para a coleta de dados serão os questionários e as entrevistas com os gerentes e subordinados das organizações selecionadas. 
Do questionário farão parte perguntas relacionadas a informações gerais  em torno dos agentes líder-liderado, das habilidades e qualidades necessárias a um verdadeiro líder, abarcando as relacionadas ao domínio do contexto e as características individuais.

5. Objetivos Gerais e específicos
5.1. Objetivos Gerais
Identificar e analisar os tipos de liderança presentes em Osasco e região, considerando as diferentes áreas de atuação e o porte das empresas que atuam neste cenário.
5.1. Objetivos Específicos
•    Estimular os alunos da graduação a desenvolverem atividades de pesquisa que possibilitem gerar novos processos ou serviços.
•    Contribuir para a formação de recursos humanos para atividades de pesquisa e potencializar a pesquisa acadêmica, motivando estudos que permitam o aumento da produtividade e do bem-estar social na comunidade, onde a FIPEN está instalada.
•    Possibilitar uma articulação com pesquisadores ou projetos de pesquisa que trabalham com temática similar em âmbito local e nacional.
•    Submeter o projeto às agências de fomento.
 
6. Conteúdos a serem desenvolvidos:
Função gerencial no mundo contemporâneo x visão tradicional da gerência.
Importância das formas participativas de gerenciamento.
Mitos que permeiam a liderança.
Qualidades e habilidades necessárias à liderança, características de comportamento do líder, possibilidade de aprendizado específico.
O papel da gerência na motivação dos funcionários.
Elaboração da Pesquisa a ser aplicada nas empresas da região.
Elaboração de projetos e redação de relatórios de pesquisa, entre outros.

7. Grupo de pesquisa
Prof. Dr. Alexandre dos Santos
Profª. Me. Dulciane Torres Lins
Profª. Dra. Maria Lúcia Gili Massi

8. Etapas de trabalho
1. Reunião com os docentes e discentes envolvidos direta ou indiretamente ao projeto.
2. Delimitar as etapas da pesquisa, dividindo-a de acordo com o porte da empresa e a área de atuação.  Identificar as empresas que farão parte de cada grupo.
3. Elaborar o questionário que será aplicado nas empresas.
4. Participar de reuniões com empresários visando propiciar aos discentes um ambiente adequado ao preenchimento dos questionários e entrevistas nas empresas. 
5. Tabular dados, preencher relatórios, análise dos dados.
6. Elaborar relatório final.
7. Orientar a elaboração de artigos decorrentes da pesquisa.

9. Recursos necessários:
1. Sala para reuniões do grupo, devidamente equipada com computadores, acesso à Internet e impressora.
2. Fotocópia de material (questionários, relatórios, entre outros)
3. Material para divulgação dos eventos ligados à pesquisa: convites, cartazes, etc.
4. Livros constantes da bibliografia básica e outros que possam ser indicados.

10. Projeto patrocinado por:
Faculdade Instituto Paulista de Ensino - FIPEN.

11. Bibliografia 
BENNIS, Warren. A invenção de uma vida: reflexões sobre liderança e mudanças. Rio de Janeiro: Campus/ Publifolha, 1999. 
BERGAMINI, Cecília Whitaker, Motivação nas Organizações. São Paulo: Atlas, 5ª.ed., 2008.
CHIAVENATO, Idalberto. Administração nos novos tempos. Rio de Janeiro: Campus, 1999.
COVEY, Stephen. Liderança baseada em princípios. Rio de Janeiro: Campus, 2002. 
DRUCKER, Peter F. Inovação e Espírito Empreendedor. São Paulo: Pioneira, 1987.
GIESTA, Lílian C., LONGARAY, André A., Pressupostos para uma nova abordagem. In: Pressupostos para uma direção eficaz: a teoria da liderança revisitada. Disponível em: http: //www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP1999_A0106.PDF>. Acesso em: 30 abr. 2010.
HEIFETZ, Ronald; LINSKY, Marty. Liderança no fio da navalha: sobrevivendo aos perigos do comando nos negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2002. 
KATZ, Robert L. As habilitações de um administrador eficiente. São Paulo: Nova Cultural, 1986. Coleção Harvard de Administração. Volume 1.
KOTTER, John. Liderando Mudança. Rio de Janeiro: Campus, São Paulo: Publifolha, 1999. 
LIDERANÇA. Vários autores. Liderança: os melhores artigos da Harvard Business Review, Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.
MANZ, Charles C., SIMS, Henry P. Empresas sem chefes! São Paulo: Makron Books, 1996.
MORGAN, Gareth. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996
PESSOA, Eliana. Liderança e gestão intermediária. Publicado em 10/08/2005. http:www.universia.com.br/matéria/img/ilustra/.../liderançaegestao.doc. Acesso em 06/04/2010.
ROBBINS, Stephen Paul. Administração – mudanças e perspectives. São Paulo: Saraiva, 2000.
SENGE, Peter M. A Quinta Disciplina. São Paulo: Best Seller, 2002.
ULRICH, Dave; ZENGER, Jack; SMALWOOD, Norm. Liderança orientada para resultados. Rio de Janeiro: Campus, 2000. 

Programação das atividades
                                                       Indicação e duração  em meses
Atividades    Objetivo    1    2    3    4    5    6    7    8    9    10    11    12     Recursos
Reunião com docentes e discentes    Divulgação do projeto                                                    Sala de reunião
Convocação dos participantes    Participação no projeto e no curso introdutório                                                     Sala de reunião equipada
Estudo do referencial teórico e da metodologia    Aprofundamento do conteúdo                                                    Sala de reunião e textos da bibliografia
Elaboração do questionário    Questionário                                                    Computador e impressora
Identificar as empresas que farão parte do projeto    Delimitar o escopo da pesquisa                                                    Sala de reunião
Fazer entrevistas e preencher questionários    Coletar dados e tabular resultados                                                    Formulários 
Elaboração do relatório de pesquisa      Produção                                                     Computador
Apresentação do trabalho    Divulgar os resultados da pesquisa à comunidade acadêmica e interessados                                                    Equipamentos multimeios
Elaborar artigos decorrentes do estudo    Publicar o resultado da pesquisa                                                    Computador

 

2. CORPO DOCENTE 

2.1 ATUAÇÃO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE 

Conforme a portaria 01/2010 de 26/04/2010 o NDE é regulamentado da seguinte forma:
O Diretor da Faculdade Instituto Paulista de Ensino - FIPEN, usando das atribuições que lhe foram delegadas pelo artigo 14 das Normas Regimentais, aprovado pela Portaria MEC nº 3.211, publicado no DOU de 05/11/2003, expede a Presente Portaria, nomeando o coordenador e os membros do NDE – Núcleo Docente Estruturante do Instituto Paulista de Ensino:
Art. 1º  O Núcleo Docente Estruturante será composto por cinco docentes, sendo um deles o coordenador. Todos os docentes indicados para esse núcleo deverão ter no mínimo o curso Strictu Senso e dedicação de tempo integral ou parcial, sendo, no mínimo, um docente em tempo integral.
Art. 2º. – São atribuições do Núcleo Docente Estruturante:
- Receber e analisar as propostas de mudança atual de grade oriunda dos professores, alunos, entidades de auto avaliação, avaliação externa, e devido alterações legais, ou de mercado, ou outra em vigor.
- Propor sempre que necessário, a revisão do Projeto Pedagógico, além da atualização semestral, principalmente das ementas, bibliografias e conteúdos.
- Propor projetos que contribuam com o curso a fim de melhor realizar as atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Osasco, 26 de Abril  de 2010
Diretor  
Prof. Joaquim Augusto Figaro Roque

A seguir apresentamos uma breve descrição do Corpo Docente:

A FIPEN incentiva a participação de todo o Corpo Docente na construção e revisão dos Projetos Pedagógicos dos Cursos, sendo que todos elaboram e revisam as suas disciplinas, as suas práticas metodológicas e as formas como os conteúdos se integram para colaborar com a interdisciplinaridade e conseqüentemente viabilizar as competências e habilidade previstas nos projetos pedagógicos. 
Em conformidade a esta política, a FIPEN delegou a um grupo de docentes, que compõe o Núcleo Docente Estruturante (NDE), a responsabilidade pela elaboração do Projeto Pedagógico do Curso. Destaca-se que, durante todo o processo, foram realizadas consultas ao conjunto de docentes. O NDE realiza a condução dos processos de elaboração, difusão e revisão dos Projetos, possibilitando a melhoria contínua. 
O NDE do Curso de Tecnologia em Gestão Comercial da FIPEN é formado pelos Professores:
•    Prof. Dr. Victor Wolowski Kenski- Coordenador do Curso
•    Prof. Dr. Alexandre dos Santos
•    Profª. Dra.Adriana Clementino
•    Prof,ª Me. Sonia de F. Rocha Ladeia
•    Profª.Dra.Maria Lúcia Gili Massi
Os critérios para seleção dos docentes que compõe NDE foram:
•    Envolvimento dos docentes com o Projeto Pedagógico do Curso;
•    Titulação;
•    Relação da formação dos docentes com a área do Curso;
•    Experiências profissionais na área do Curso;
•    Conhecimento e clareza pelos docentes da missão, dos objetivos e da cultura institucional;
•    Carga horária do docente na Instituição.

2.2 ATUAÇÃO DO COORDENADOR 

O coordenador procura articular de modo alinhado a variedade de dimensões que estão sob sua responsabilidade, transitando entre o corpo docente e o corpo discente com espírito conciliador, visando construir uma relação favorável e ética entre as partes, e fazendo a gestão do curso com atenção na Educação, nos desempenhos de alunos e professores, na demanda do mercado de trabalho, no respeito à diversidade, no índice de evasão, dentre outros, para que sejam realizadas ações de melhoria quando necessárias. Nas reuniões do colegiado docente, discute-se o projeto pedagógico do curso visando seu aperfeiçoamento de modo participativo. O Coordenador, portanto tem o papel de incentivar o grupo para a melhoria contínua do curso, para o desenvolvimento e para a revisão dos processos e práticas.


2.3 EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL DE MAGISTÉRIO SUPERIOR E DE GESTÃO ACADEMICA DO (A) COORDENADOR (A) 

O curso de Tecnologia em Gestão Comercial objetiva ter um currículo atualizado, com relevante suporte teórico e sensível as necessidades do mercado. Considerando este objetivo buscou-se um Coordenador com boa formação, experiente na área de comercial e em gestão e que tivesse uma atuação profissional, também, na área de Educação. A FIPEN considerou que com estes atributos ele poderá compreender melhor as necessidades dos alunos, mas, também, afirma ser imprescindível ser um Professor comprometido e que conheça a cultura organizacional da Instituição. O Coordenador é Professor Universitário há 06 anos, nas áreas de Marketing para Internet, Planejamento e Gestão Empresarial, Gestão de Pessoas, Orientação de Estágios e Trabalho de Conclusão de Curso, sendo que leciona na FIPEN desde agosto de 2007.


Nome do Coordenador: Victor Wolowski Kenski
A formação acadêmica do Coordenador do Curso é a seguinte:
Graduação
Instituição: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Curso: Engenharia Elétrica
Ano de Conclusão: 1975

Mestrado
Instituição: Universidade Federal do Rio de Janeiro
Curso: Administração Estratégica
Ano de Conclusão: 1979

Doutorado
Instituição: Universidade Presbiteriana Mackenzie
Curso: Administração 
Ano de Conclusão: 2012


Atuou como Diretor Comercial em diversas empresas sendo que na Coencisa Industria de Comunicações S.A foi, inclusive, Presidente durante 03 anos. Atuou, também, como Diretor Administrativo Financeiro e Diretor de Novos Projetos. Nos cargos de Direção atuou cerca de 19 anos, foi, ainda, Gerente de Projetos por 03 anos e Oficial da Marinha do Brasil por 6 anos. Desde 2003 atua como Diretor Comercial na Empresa Site Educacional, sendo que possui sólida formação na área do Curso.

2.4 CORPO DOCENTE DO CURSO 

O corpo docente do curso de Tecnologia em Gestão Comercial é formado pelos seguintes professores:





DOCENTES    TITULAÇÃO
Adalberto Tacini     ESPECIALISTA
Adriana Clementino    DOUTOR
Alexandre  dos Santos    DOUTOR
André Emanuel Cardoso     ESPECIALISTA
Andréia  Massa    MESTRE
Dulciane Torres Lins     MESTRE
Lindiane Viviane Moretti     ESPECIALISTA
Márcio Hiro Hamasuna     ESPECIALISTA
Maria Inês Zampolim Coelho     MESTRE
Maria Lucia Gili Massi    DOUTOR
Renata Ferreira Tacini     MESTRE
Sonia de Fátima Rocha Ladeia     MESTRE
Victor Wolowiski Kenski     DOUTOR


2.5 FUNCIONAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO OU EQUIVALENTE 

O Colegiado de Curso é composto pelo coordenador e pelos professores que ministrarão aula no curso. O Colegiado terá por atribuições o planejamento semestral das atividades, elaboração, atualização e manutenção dos projetos pedagógicos e planos de ensino e elaboração de propostas de eventos de pesquisa e extensão, para encaminhamento aos colegiados competentes. 

3. INFRAESTRUTURA

3.1 GABINETES DE TRABALHO PARA PROFESSORES DE TEMPO INTEGRAL – TI  

Os professores em tempo integral possuem sala com micro, internet, impressora, armários e condições para atendimento individual de alunos, além da possibilidade de desempenhar atividades próprias. 

3.2 ESPAÇO DE TRABALHO PARA COORDENAÇÃO DOS CURSOS E SERVIÇOS ACADEMICOS 

O Coordenador do Curso possui sala com micro, internet, impressora, armários e condições para atendimento individual de alunos, além da possibilidade de desempenhar atividades próprias.

3.3 SALA DOS PROFESSORES 

Para os Professores, há a sala específica com 44 metros quadrados (6,60 m² x 6,70 m²), 1 mesa de reunião, 8 cadeiras, 2 sofás de dois lugares, 2 sofás de três lugares e 3 computadores.

3.4 SALA DE AULA 

A Instituição oferece salas amplas de aula, com capacidade de 50 a 80 alunos, com dois quadros negros e ventiladores, sendo que está previsto alocar no máximo 50 alunos por sala. Apesar do tamanho, a Instituição nunca possui mais do 50 alunos em sala de aula.

3.5 ACESSO DOS ALUNOS A EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA 

A FIPEN possui terminais a disposição dos alunos, todos com acesso à internet e banda larga. O seu laboratório de informática, possui área de 70 metros quadrados (7m²x10 m²) e há 30 computadores disponíveis. Além desses, há mais três estações para uso na biblioteca.

3.6 BIBLIOGRÁFIA BÁSICA 

A FIPEN adquire toda a disciplina básica, sempre com no mínimo 3 títulos por disciplina. A compre é realizada conforme o semestre é ofertado, sendo que o número de exemplares é calculado na proporção mínima de 01 (um) exemplar para cada 6 (seis) alunos. 


3.7 BIBLIOGRÁFIA COMPLEMENTAR 

Os Livros da bibliografia complementar são adquiridos em número mínimo de 02 (dois) exemplares, sendo que são no mínimo cinco títulos por disciplina. 

3.8 PERIODICO ESPECIALIZADO
 
No início de cada semestre letivo, os docentes do curso indicam em seu Plano de Curso, os livros, periódicos, jornais e revistas específicas de interesse ao curso que por ventura não constem da relação do acervo da biblioteca. Desta forma é feito um pedido formal pela Coordenação do Curso à Biblioteca que providenciará a aquisição dos mesmos. Atualmente a FIPEN possui todos os periódicos que serão utilizados, de forma que abrange as necessidades das diversas áreas do Curso.

3.9 BIBLIOTECA  

3.9.1 LOCALIZAÇÃO 

Rua Euclides da Cunha, 377 – Centro de Osasco – SP - Tel. 3682-2528 – Ramal 213
3.9.2 INSTALAÇÕES 

A Biblioteca da Faculdade Instituto Paulista de Ensino, conta com uma área total construída de 370 m², sendo 58 m² destinados ao acervo. Seus ambientes estão assim distribuídos: salão de leitura no segundo piso; acervo no terceiro. No piso térreo, há um auditório para 80 pessoas. 
A área física destinada aos estudos e pesquisa da coletividade é de 209 m².

3.9.3 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO 

A atualização da biblioteca, baseiam-se na normatização Geral da Biblioteca e segue a síntese da Política de Desenvolvimento da Coleção:

1 – Objetivos:

•    Identificar os elementos adequados à formação da coleção;
•    Determinar critérios para duplicação de títulos;
•    Estabelecer prioridades de aquisição de material;
•    Traçar diretrizes para o descarte de material;
•    Permitir o crescimento racional e equilibrado do acervo em todos os campos do conhecimento.

De acordo com seus recursos orçamentários, a FASE adquire diferentes tipos de materiais (Livros, Obras de Referência, Periódicos, Audiovisuais), de informação relevante a toda a comunidade, a fim de permitir subsídio informacional que possa gerar conhecimento.

Estes materiais devem atender às seguintes finalidades:
•    Suprir as disciplinas de cada curso;
•    Dar apoio aos programas de pesquisa.

Quanto à formação do acervo, o material bibliográfico e audiovisual segue rigorosamente selecionado, observando os seguintes critérios:
•    Adequação do material aos objetivos e nível educacional da Instituição;
•    Autoridade do autor e/ou editor;
•    Atualidade;
•    Qualidade técnica;
•    Preço acessível;
•    Idioma acessível;
•    Número de usuários potenciais que poderão utilizar o material.

A Biblioteca possui diversos catálogos de editoras, visando divulgar entre os professores as novidades editoriais. 

São utilizadas diversas fontes de informação, dentre as quais:
•    Bibliografias gerais e especializadas;
•    Catálogos, listas e propagandas diversas de editoras e livreiros;
•    Guias de literatura gerais e especializadas;
•    Listas de novas aquisições e boletins bibliográficos;
•    Bases de Dados;
•    Sites de editoras, livrarias.

2 – Responsabilidade pela Seleção

Para a inclusão e exclusão do acervo é necessário que a coordenação pedagógica conheça o acervo existente nas Bibliotecas. Compete a Biblioteca estabelecer prazos de entrega de sugestões de aquisições de materiais por parte dos professores.
A seleção do material adquirido fica a cargo dos professores.
Os professores e coordenadores contribuem decisivamente para a formação de coleção de boa qualidade, visto que estes são conhecedores da literatura nas suas respectivas áreas, podendo assim, selecionar criteriosamente o material a ser adquirido.
As Bibliotecas do sistema executam a seleção quantitativa baseada nos critérios abaixo estabelecidos:

Coleção de referência

É dada atenção especial à aquisição de material de referência e instrumentos de acesso à informação. Dicionários, Enciclopédias, Atlas, Anuários, entre outros.

Periódicos impressos e eletrônicos

A cada ano, a Biblioteca realiza uma avaliação nas estatísticas de utilização de periódicos correntes, com o objetivo de colher subsídios para tomada de decisões para a renovação dos mesmos. A listagem dos títulos com seu respectivo uso é analisada pelos Coordenadores e pela Biblioteca, com o intuito de realizar:

•    Cancelamento de títulos que já não atendem as suas necessidades;

•    A inclusão de novos títulos necessários para o desenvolvimento do conteúdo programático e/ou atualização;
•    Manutenção dos títulos já adquiridos.

Observação: No caso de cancelamento e/ou inclusão de títulos, os Coordenadores devem encaminhar solicitação, para apreciação da Biblioteca. Todos os títulos indicados para compra são renovados automaticamente até a próxima avaliação de utilização da coleção. Durante o ano existe a possibilidade de inclusão e/ou cancelamento de títulos, desde que se enquadrem nos critérios já mencionados e que sejam aprovados pela Coordenação. 

Audiovisuais

São adquiridos quando comprovada a necessidade de tais recursos para o desenvolvimento do ensino, pesquisa e extensão dentro das seguintes condições:
•    Quando os equipamentos necessários para sua utilização existirem na Instituição, ou;
•    Estiverem em vias de serem adquiridos.

3 - Prioridade de Aquisições
Devido às restrições orçamentárias e à grande quantidade de documentos produzidos nas diversas áreas do conhecimento, torna-se impossível para qualquer biblioteca adquirir todo o material bibliográfico disponível no mercado editorial. 
Sendo assim, a Biblioteca estabeleceu as seguintes prioridades para aquisição de material bibliográfico:

•    Bibliografia básica;
•    Assinaturas de periódicos, cujos títulos já fazem parte da lista básica, conforme indicação dos professores;
•    Bibliografia complementar e/ou atualização. 
•    Os casos não previstos serão submetidos à apreciação dos Coordenadores.

4 – Processo de Aquisição
Compete à Coordenação da Biblioteca solicitar e acompanhar o processo de compra dos itens aprovados, observando-se o seguinte fluxo:

•    As solicitações para compra são encaminhadas via e-mail para a biblioteca, que verifica se o material solicitado já existe no acervo;
•    A Biblioteca encaminha para os coordenadores, relação de sugestão de compra, a qual depois de apreciada e aprovada, deve retornar à Biblioteca;
•    A Biblioteca elabora listagem de compra, utilizando-se do formulário de processo de compra, e encaminha a Controladoria, que providencia a aquisição observando os critérios de menor preço, prazo de pagamento e agilidade e pontualidade na entrega;
•    Informa-se aos Coordenadores, formalmente, sobre o andamento da aquisição;
•    Recebimento do material adquirido mediante conferência com as notas fiscais emitidas detectando possíveis falhas e comunicando a Controladoria para providências, ou declarando o recebimento, mediante carimbo de conferido, com nome, data e assinatura.
•    Remessa das notas fiscais ao Financeiro para pagamento, após conferência e assinatura;
•    Para a coleção de periódicos, acompanhar sistematicamente e de forma contínua o recebimento dos fascículos, essencialmente sua periodicidade, com a observância de quem, neste caso, o controle está de cada Biblioteca.

Doações
No caso de doações remetidas sem solicitação, é fundamental uma análise do material recebido, integrando ao acervo somente o que interessa à Instituição, evitando exigências incompatíveis por parte dos doadores.

Serão aceitas as doações que se enquadrarem nos seguintes critérios:
•    Atualização do tema abordado no documento;
•    Estado físico do documento;
•    Documentos de interesse para a Instituição. 

A Biblioteca pode dispor das doações recebidas das seguintes maneiras:
•    Incorporá-las ao acervo;
•    Encaminhá-las para outras instituições;
•    Descartá-las. 

Recebimento de materiais para compensação de multa

Quando os materiais bibliográficos doados para compensação de multa devido atraso na devolução, apresentarem conteúdo técnico, deve-se consultar alguma livraria on-line para verificar se é o exemplar mais atualizado, ou mesmo em caso de dúvida, um professor para informações sobre a atualização da obra. Caso contrário, não serão aceitos para compensação do débito.

No caso de literatura, ou obras clássicas, basta que o material esteja em bom estado de conservação e sem maiores rasuras e anotações.

Em caso de dúvidas, as doações serão submetidas à apreciação dos Coordenadores.

5 - Desbastamento do Material Bibliográfico e Especial

Desbastamento é o processo pelo qual se retira do acervo ativo, títulos e/ou exemplares, partes de coleções, quer para remanejamento ou para descarte. 
Deve ser um processo contínuo e sistemático para manter a qualidade da coleção. O desbastamento da coleção deverá ser feito de acordo com as necessidades, submetidas à apreciação dos Coordenadores e da Biblioteca.

Critérios para descarte de livros:
Inadequação: documentos cujos conteúdos não interessam à Instituição, incorporados ao acervo anteriormente, sem uma seleção prévia e/ou escritas em línguas pouco acessíveis.

Desatualização: este critério se aplica principalmente aos documentos cujos conteúdos já foram superados por novas edições. Entretanto, para aplicação deste critério, deve-se levar em consideração, principalmente, a área de conhecimento a que se refere a obra.

Condições Físicas (sujas, infectadas, deterioradas ou rasgadas): após análise do conteúdo e relevância do documento, se for considerado de valor e não disponível no mercado para substituição, deverá ser recuperado.

Duplicatas: número excessivo de cópias de um mesmo título em relação à demanda. 

•    Critérios para descarte de periódicos:
•    Coleções não correntes e que não apresentem demanda;
•    Periódicos de divulgação geral e/ou de interesse temporário;
•    Periódicos recebidos em duplicata;
•    Condições físicas inadequadas.

6 - Reposição de material bibliográfico e especial

Os documentos desaparecidos não serão repostos automaticamente. A reposição deverá ser baseada:
•    Na demanda do título;
•    Importância e valor do título;
•    Número de exemplares existentes;
•    Existência de outro título mais recente e de melhor conteúdo.

Em casos de dúvida, a reposição será submetida à apreciação dos Coordenadores.

7 - Avaliação da Coleção

A avaliação sistemática da coleção deve ser entendida como o processo utilizado para se determinar a importância e a adequação da coleção em função dos objetivos da Biblioteca e da própria Instituição, possibilitando traçar diretrizes quanto à aquisição, à acessibilidade e ao descarte.
A Biblioteca procede a avaliação do seu acervo quando necessário, sendo empregados métodos quantitativos e qualitativos, cujos resultados serão comparados e analisados, assegurando o alcance dos objetivos da avaliação da coleção. 

Na avaliação do acervo do SIBA, são utilizados os seguintes critérios:

•    Distribuição percentual do acervo por área

Será analisada a existência de documentos em cada área do conhecimento ministrados nos cursos.

A análise demonstrará quais os cursos que devem ter a sua coleção implementada (seja em exemplares ou títulos) e quais as áreas desprovidas de documentos que necessitam de aquisição.

•    Estatísticas de utilização do material bibliográfico e especial

A análise das estatísticas de uso do material permitirá a determinação dos títulos que requerem múltiplas cópias e daqueles cuja duplicação é desnecessária. 

Por outro lado, se for comprovada a baixa utilização dos recursos bibliográficos em alguma área, a Biblioteca deverá investigar a causa do problema, que poderia ser a falta de qualidade do material existente, desatualização, ausência de interesse, inexistência dessa área de estudo na Instituição, desconhecimento da existência da obra, etc.

8 - Sugestões dos usuários

A sugestão do usuário é um é um parâmetro seguro para se avaliar as coleções e, consequentemente, através da mesma poder-se-á:
•    Verificar se a coleção satisfaz aos usuários;
•    Determinar os tipos e níveis de necessidade em relação às coleções;
•    Verificar as mudanças de interesse por parte da comunidade.

9 - Revisão da Política de Desenvolvimento 

A cada 02 (dois) anos, a política de desenvolvimento de coleções deverá ser revisada pela Biblioteca com a finalidade de garantir a sua adequação à comunidade, aos objetivos da Biblioteca e aos da própria Instituição.

3.10. LABORATÓRIOS DIDÁTICOS ESPECIALIZADOS:QUANTIDADE E QUALIDADE

A Instituição possui um laboratório de informática com área 70 metros quadrados (7m²x10 m²).  Ali, há 30 computadores disponíveis. Todos os computadores estão conectados na rede com acesso à internet com banda larga e programas específicos para o curso.
Conforme citado anteriormente, a FIPEN disponibiliza para o curso terminais, todos com acesso à internet e banda larga, no laboratório e na biblioteca. 
Os microcomputadores possuem pacote office atualizado, media player; Cd player'; dvd player; celular; e-mail;internet para pesquisa; vídeos; planilhas eletrônicas; editor de textos; criação de formulários eletrônicos na internet.
O Curso utiliza softwares específicos para as disciplinas, destacando-se para atividades de simulação em empreendedorismo, plano de negócios, elaboração de fluxograma e de folha de pagamento.

3.11. LABORATÓRIOS DIDÁTICOS  ESPECIALIZADOS SERVIÇOS 

Periodicamente são realizadas reuniões com  os docentes para discutir os avanços tecnológicos na área de TI, para viabilizar a substituição dos computadores e outros recursos do laboratório de informática. Em se tratando de softwares específicos, após análise, são sugeridos para a aquisição, mediante o preenchimento de formulários específicos encaminhados ao setor de compras. 
Constantemente são mantidos, nos laboratórios de informática, monitores para prestar o apoio técnico à comunidade acadêmica. 

3.12. CONDIÇÕES DE CONSERVAÇÃO DOS LABORATÓRIOS 

Diariamente são realizadas vistorias nos laboratórios com objetivo de avaliar as condições de uso e providenciar os ajustes/correções imediatamente, na verificação podemos destacar as seguintes atividades:
?    Verificação da rede interna;
?    Condições de acesso à Internet;
?    Verificação do sistema operacional;
?    Checagem dos softwares a serem utilizados em aula;
?    Verificação das condições de funcionamentos dos computadores e periféricos;
?    Atualização diária do software antivírus.

3.12.1. NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA 

A FIPEN mantém as normas e procedimentos de segurança dos laboratórios supervisionados por profissionais da área de Recursos Humanos.

3.12.2. ATIVIDADES DE ENSINO (PLANEJAMENTO, ABRANGÊNCIA, - ÁREA DE ENSINO, ATENDIDAS, QUALIDADE E OUTROS) 

As turmas que utilizarão o Laboratório Pedagógico serão divididas em grupos, para melhor aproveitamento.
Durante o Curso os alunos utilizarão os laboratórios em diversas disciplinas, com programas específicos ou gerais, para desenvolver projetos acadêmicos ou aplicados, com o acompanhamento do docente ou individualmente, conforme a necessidade.

3.12.3. IMPLEMENTAÇÃO DAS POÍTICAS INSTITUCIONAIS DE ATUALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS NO ÂMBITO DO CURSO 

Periodicamente serão realizadas reuniões com os professores da área de informática, e da manutenção de equipamentos, com a finalidade de discutir os avanços tecnológicos na área de informática para viabilizar a substituição dos computadores outros recursos do laboratório de informática. No caso de materiais, os softwares existentes no mercado serão analisados e sugeridos para a aquisição, neste caso são preenchidos formulários específicos, que são encaminhados para o setor de compras, que providenciará a negociação da aquisição. Também são consideradas as observações dos Docentes no Colegiado de Curso.

3.12.4. FORMAS DE ACESSO E UTILIZAÇÃO 

Há livre acesso, de modo a gerar maior aproveitamento para as pesquisas. O acesso ao acervo é facilitado pela consulta on line, pelo site institutcional www.fipen.edu.br

3.12.5. ACERVOS E PERIÓDICOS

O acervo de livros da FIPEN- Instituto Paulista de Ensino Superior destinados à formação do perfil e formação do egresso profissional de Tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos é generalista, humanista, crítico e reflexivo, procura priorizar Títulos e Autores que atendam a estas necessidades, oferecendo o número adequado de exemplares e aquisição periódica de títulos novos.
 
3.13.INFRAESTRUTURA

3.13.1.SALAS DE AULA

Inicialmente o curso terá a sua disposição 5 salas de aulas. Cada sala possui 50 cadeiras com quadro negro e 01 tela para projeção. As salas de aula dispõem de pontos de rede para micros volantes e data-show.

3.13.2.FINANCEIRO

Para a área Financeira há 18 metros quadrados (3,60m²x 5,06m²), 4 funcionários, 4 computadores e 1 máquina de escrever.

3.13.3.SECRETÁRIA
A Secretaria possui: 29,7 metros quadrados (6,60m² x 4,50m²), 3 computadores, 3 mesas de trabalho, 9 cadeiras, 3 arquivos de aço, 1 armário de aço, 1 armário embutido e 2 armários de madeira.

3.13.4.SALA DOS PROFESSORES

Para os Professores, há a sala específica com 44 metros quadrados (6,60 m² x 6,70 m²), 1 mesa de reunião, 8 cadeiras, 2 sofás de dois lugares, 2 sofás de três lugares e 2 computadores.

3.13.5.LANCHONETE
Na Lanchonete há 138 metros quadrados (9,60 m² x 14,40 m²), 6 funcionários, 5 freezer, 1 balança digital e 21 mesas com 6 lugares.

3.13.6.MONITORIA

O espaço disponível para a monitoria corresponde a 7 metros quadrados (2,47 m² x 2,85 m²), 1 funcionário e 1 computador.

3.13.7.COPIADORA

Para a copiadora há cerca de 10 metros quadrados (3,20 m² x 3,00 m²), 1 funcionários e 2 máquinas de grande parte.

3.13.8.ANFITEATRO

O anfiteatro FIPEN possui 75 metros quadrados (5,00 m²  x 15,00 m²), 1 TV 29 polegadas, 1 DVD, 1 vídeo e 1 lousa (quadro branco)

3.13.9.SALA DE MÍDIA

A Sala Multimídia possui 52 metros quadrados (9,80 m² x 5,33 m²), 1 computador e 1 projetor CTX.

3.13.10.PÁTIOS COBERTO

No segundo andar, há o Pátio Coberto com 261 metros quadrados (10,40 m² x 25,10 m²), 15 mesas e 60 cadeiras, 1 quadro negro e 2 banheiros.
O terceiro andar possui área livre de 80 metros quadrados (8,10 m² x 9,90 m²) 
 
BIBLIOGRAFIA
BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. 2004
BRASIL. Portaria n.º 2051, de 09 de julho de 2004. 2004.
BRASIL. Resolução nº 4, de 13 de julho de 2005. 2005.
Freitas, A.L.P. A Auto-Avaliação de Instituições de Ensino Superior: Uma Importante Contribuição para a Gestão Educacional. UENF.
MEC/CONAES/INEP. Diretrizes para Auto-Avaliação das Instituições. 
__________________. Orientações Gerais para o Roteiro da Auto-Avaliação das Instituições. 2004.
SINAES/ENADE – Questionário Socioeconômico. 
http://www.inep.gov.br/superior/condicoesdeensino/perguntas_frequentes.htm
 

Curso Gestão Comercial Osasco, estude com quem conhece do assunto, Fipen.