16/09/2011


Acontece: Semana do Administrador FIPEN 2011

 

Acontece: Semana do Administrador FIPEN 2011

 

14/09/2011 (Quarta-feira) - “Participação das micros e pequenas empresas na economia do país. O setor de serviços como grande gerador de empregos”

 

Palestrante: Victor W. Kenski - FIPEN (Faculdade Instituto Paulista de Ensino)

  •  

    Micro e pequenas empresas – tema muito em voga hoje em dia.

 

 

NOVA ECONOMIA MUNDIAL:

 

  •  

    China – Eixo de produção em massa se deslocou para a Ásia.

  • Chineses produzem barato e controlam a taxa de câmbio

  •  

    EUA e Europa – recessão e redução das importações industriais brasileiras.

  •  

    Redução do crescimento da economia.

 

 

Estrutura da Economia (tendência do emprego no Brasil para 2015):

 

  •  

    75% no setor de serviços.

  •  

    4% na indústria.

  •  

    1% na agricultura.

  •  

    20% na área de conhecimento.

  •  

    Passamos pela crise econômica de 2008. Em 2009, o setor de serviços segurou a economia (segundo o IBGE, com um crescimento de 10,9% no período).

  •  

    Programas sociais do governo ajudaram a segurar a crise no Brasil. Mas é preciso que haja mais investimento na infraestrutura.

  •  

    Em 2008, as PME's (Pequenas e Médias Empresas) eram 97% do total de empresas no país.

  •  

    Com a crise, o Brasil reduz as suas exportações. O dólar está com valor baixo, ainda, em relação ao Real, valorizado. Altas taxas de juros atraem investimento externo. Melhor distribuição de renda e aumento da renda em geral.

 

 

PME – IBGE e SEBRAE classificam essas empresas por número de empregados.

 

  •  

    Até 19 – Micro

  •  

    De 20 a 99 – Pequena

  •  

    Esse critério é adotado porque não é afetado por variações de preços ao longo do tempo.

  •  

    Setor de serviços pulveriza a mão de obra.

  •  

    Tamanho médio das empresas brasileiras era de 9,6 pessoas ocupadas, segundo o IBGE, em 2007.

  •  

    São Paulo é um Brasil dentro do Brasil. Na grande São Paulo tem quase 1-% da população brasileira. A realidade é que as PME's nascem todos os dias (128 mil empresas por ano, entre 2000 e 2005):

    •  

      56% eram empresas comerciais;

    •  

      38% prestadores de serviços;

    •  

      9,1 industriais; e

    •  

      1% agrícolas.

  •  

    A taxa de mortalidade era de 27% no primeiro ano de vida das empresas. É uma grande perda de recursos financeiros empregados na sua criação e nos postos de trabalho extintos.

  •  

    Por que morrem?

    •  

      Pela ausência de um comportamento empreendedor;

    •  

      Falta de planejamento prévio adequado;

    •  

      Deficiências no processo de gestão empresarial;

    •  

      Insuficiência de políticas públicas de apoio aos pequenos negócios;

    •  

      Dificuldades decorrentes da conjuntura econômica;

    •  

      Impacto dos problemas pessoais sobre os negócios.

  •  

    O SEBRAE também perguntou o que poderia ser feito para melhorar:

    •  

      Maior apoio financeiro;

    •  

      Consultoria empresarial;

    •  

      Maior número de ações do governo.

 

 

- A grande falha é a educação da população! Muitas vezes, o pessoal que monta empresa não tem nível de escolaridade suficiente para seguir os cursos e aplicar o conhecimento.

 

 

 

- O SEBRAE não tem dado soluções adequadas às deficiências no processo de gestão empresarial e no impacto que os problemas pessoais podem causar em um negócio.

 

 

 

- Sobre apoio financeiro a FIESP publicou um manual com uma lista de 67 fontes de financiamento! Alguns a fundo perdido (sem necessidade de retorno do investimento). Destes, 55 alcançam as PME's.

 

- O governo ampliou muito o financiamento para as PME's. Há uma cartilha no site www.mdic.gov.br.

 

 

- O “Simples” trouxe muita gente para a formalidade e agora a eireli EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada).

 

 

 

- Algumas características sobre o Empreendedor:

 

  •  

    Não depende de experiências passadas;

  •  

    Depende da reação social à experiência passada (grau de suporte social);

  •  

    A intenção será positiva se o empreendedor julgar que receberá sua atitude positiva dos outros;

  •  

    Tem de haver o desejo para um comportamento empreendedor;

  •  

    Tem que possuir personalidade proativa;

  •  

    Não é influenciado por má experiência passada (falência);

  •  

    Não há relação entre um evento disruptivo e a propensão para empreender.

  •  

    Conclusão: é preciso encorajar o comportamento empreendedor e educar sobre o empreendedorismo.

 

 

 

15/09/2011 (Quinta-feira) - “O empreendedor e a ação das incubadoras”

 

Palestrante: Oscar Enrique Nunes – CIETEC (Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia)

 

 

- CIETEC

 

  •  

    Incubadora com 13 anos (1998)

  •  

    Convênio entre SDE-SP, SEBRAE-SP/ USP/ IPEN/ IPT

  •  

    O que é: Uma sociedade civil sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado e com autonomia administrativa e financeira.

  •  

    Missão: Promove desenvolvimento da ciência e tecnologia nacional, incentivando a transformação do conhecimento em produção e serviços inovadores e competitivos.

  •  

    Módulos individuais (salas) de 6,5 a 240 m2.

  •  

    Infraestrutura (impressoras, sistemas, etc...) e serviços (internet, telefonia, secretaria).

  •  

    Assessoria na elaboração do plano de negócios, na aproximação com investidores e em marketing e comercialização.

  •  

    Apoio na participação em feiras e eventos.

  •  

    Acesso às universidades e institutos de pesquisa de apoio na elaboração de solicitações para acesso às agências de fomento.

  •  

    Apoio na área internacional (parcerias com câmaras de comércio, embaixadas, etc...).

  •  

    Eventos especiais para networking (cafés tecnológicos, etc...).

  •  

    Exposição à mídia.

  •  

    Apoio na área de propriedade intelectual.

  •  

    Laboratório de informática/ assessoria em TI.

  •  

    Segmentos – Biotecnologia, Medicina e Saúde, Eletroeletrônico, TI e Meio Ambiente.

  •  

    As empresas são reunidas em cada segmento, porém podem estar ligadas. Troca de experiências e parcerias num ambiente favorável.

 

 

- Processo de Seleção:

 

  •  

    Divulgação de edital;

  •  

    Pré-seleção das propostas apresentadas;

  •  

    Curso (plano de negócios) para os pré-selecionados;

  •  

    Análise dos Planos de Negócios;

  •  

    Entrevista dos consultores com os empreendedores para esclarecimentos adicionais;

  •  

    Seleção final;

 

 

- Não basta que o projeto tenha tecnologia, tem que ter inovação.

 

 

 

- Incubação:

 

  •  

    Hotel de projetos;

  •  

    Empresas não residentes (não usam a estrutura, só o serviço do CIETEC. Pode incubar um projeto, somente!);

  •  

    Incubação de empresas residentes;

  •  

    Incubadora de software.

 

 

- 12 a 18 meses para ficar sem custo.

 

 

 

- É cobrada a taxa de R$ 500,00 por mês para usar a estrutura.

 

  •  

    Ano passado, as empresas incubadas faturaram R$ 27 milhões!

  •  

    Os investimentos são recuperados em impostos. Depois de seis meses, a empresa tem que pagar os impostos.

  •  

    894 postos de trabalho em 2010.

  •  

    150 empresas incubadas e 100 empresas graduadas.

  •  

    65 milhões de dólares em financiamentos fomentados (sem precisar de retorno).

  •  

    200 projetos já apoiados.

 

 

16/09/2011 (Sexta-feira) - “O papel do SEBRAE no apoio institucional às micro e pequenas empresas”

 

Palestrante: Washington Luiz de Souza Malta – SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas)

  •  

    SEBRAE – Entidade sem fins lucrativos.

  •  

    Intraempreendedorismo – empreendedorismo dentro da empresa.

  •  

    Todo SEBRAE tem um conselho deliberativo. Nosso – Presidente: Alencar Burti.

 

 

- Missão: Promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micros e pequenas e fomentar o empreendedorismo. Muitos empresários ainda estão no “fazejamento” em vez de planejar.

 

 

 

- Objetivos: Criar empresas que inovem e Ensinar comportamento empreendedor e Diminuir a taxa de mortalidade das empresas.

 

 

 

- O índice de empresas que fecham antes de 5 anos tem diminuído, porque as pessoas tem se especializado, tem estudado mais.

 

 

 

- Atua diretamente com prestação de serviços aos empresários e empreendedores e em parceria através de projetos.

 

 

 

- SEBRAE Osasco atende 15 municípios da Grande São Paulo, na região oeste e sudoeste.

 

 

 

- Produtos: cursos, palestras, consultorias, feiras e rodas de negócios, jornal “Bolsa de Negócios”, SebraeTEC, etc...

 

 

 

- Gratuitos: “Aprender a Empreender” e “Juntos Somos Fortes” (este último sobre cooperativismo).

 

 

 

- Palestras gerenciais (gratuitas):

 

  •  

    Como calcular preço de vendas;

  •  

    Viabilidade e plano de negócios;

  •  

    Planejando a abertura de sua empresa;

  •  

    Orientação ao crédito.

 

 

- Consultorias individuais e coletivas:

 

  •  

    Adm. Geral,produção/ qualidade/ Com. Exterior, MKT, Informática, Jurídica, Finanças, Agronegócios.

  •  

    Promove feiras e rodadas de negócios.

  •  

    Viabiliza espaço físico e acompanhamento. Há também eventos promovidos para compradores e vendedores.

  •  

    Fomenta Brasil – vendas públicas.

  •  

    Sebrae quer levar soluções aos empresários!

  •  

    SebraeTEC – Apoio a Pequenas e Médias Empresas dos centros geradores de tecnologia.

  •  

    Desafio Sebrae – jogo interativo para universitários.

  •  

    Programa EMPRETEC (Programa da ONU ministrado no Brasil) – desenvolvimento e capacitação gerencial de empresários e futuros empreendedores. Programa que muda a forma de ver negócios e até mesmo a vida pessoal.

  •  

    Associativismo e Cooperativismo – apoio a grupos, estímulo ao empreendedorismo.

  •  

    Orientação para o crédito.

  •  

    Prêmio Selo Prefeito Empreendedor Mário Covas – prefeitos ganham selo para estimular empreendedorismo nas suas cidades. O Prefeito de Osasco, Emídio já ganhou por conta do Programa Osasco Legal.

  •  

    Negócio a Negócio – programa para quem tem CNPJ, para orientar o uso de ferramentas de gestão.

 




Indique esta notícia para um amigo

Seu nome:
Seu e-mail:
Nome amigo:
Email amigo:
código captcha